Esportes

Multicampeão olímpico defende punição dobrada

Da Redação ·





RIO DE JANEIRO, RJ, 28 de agosto (Folhapress) - Dono de quatro ouros olímpicos, o norte-americano Michael Johnson defendeu hoje punições mais severas para atletas flagrados por doping.

Ao participar do Fórum Internacional sobre Esportes de Elite, o primeiro homem a vencer os 200 e 400 m rasos na mesma Olimpíada (Atlanta-96) disse que as penas em casos de doping deveriam ser de quatro anos. A suspensão máxima prevista para o caso é de dois anos.

"Temos de acabar com o doping no atletismo, no esporte, assim como temos de eliminar todo e qualquer crime da sociedade", disse Johnson, que foi nove vezes campeão mundial.

No mês passado, os jamaicanos Asafa Powell e Sherone Simpson foram flagrados com substâncias proibidas em exames.

Aos 30 anos, Powell é um dos principais corredores da atualidade. Até 2008, ele tinha o recorde mundial dos 100m, quando teve sua marca quebrada por Usain Bolt.

"Devo tudo ao atletismo, mas eu fico muito satisfeito quando alguém é pego cometendo essa ilegalidade que mancha o esporte", declarou o ex-atleta de 45 anos no encerramento do fórum realizado na sede do COB (Comitê Olímpico Brasileiro).

Johnson ainda elogiou os jamaicanos. "De seis, sete anos para cá, os jamaicanos passaram a investir mais na capacitação de seus técnicos e demais profissionais. Os próprios atletas começaram a rejeitar um intercâmbio maior com os EUA por causa de diferenças culturais. Isso acabou trazendo ótimos resultados para a Jamaica. O Bolt não foi desenvolvido nos Estados Unidos. Foi lá mesmo, no país dele", disse.
 

continua após publicidade