Esportes

Prazo para entrega de relatório do Engenhão é estendido

Da Redação ·
Terminaria nesta quarta-feira o prazo estipulado pelo prefeito do Rio, Eduardo Paes, para que saísse uma definição a respeito do que fazer com o Engenhão, interditado desde 26 de março por problemas na cobertura, que estaria ameaçada de desabar. Há 15 dias, Paes criou a Comissão Especial de Avaliação do Engenhão para que três engenheiros avaliassem "todos os laudos" sobre o estádio e apresentassem soluções para o reparo na estrutura. Mas o prazo para o relatório final dos engenheiros foi estendido por mais 15 dias. O resultado era aguardado com expectativa pelo Botafogo e por outra comissão, a da Câmara dos Deputados, presidida pelo deputado Alessandro Molon (PT-RJ), para avaliar o legado da Copa 2014 e da Olimpíada 2016. A prorrogação para a divulgação do relatório só faz aumentar a descrença do Botafogo e dos deputados. A desconfiança está no fato de a prefeitura do Rio ter mantido no escuro tanto o clube quanto a comissão da Câmara, que aguardam por informações mais detalhadas sobre o que precisa ser feito e o tempo necessário para a reabertura do Engenhão. A prefeitura ignorou até o momento um ofício enviado por Molon a Paes, no dia 10 de abril, solicitando todos os laudos e projetos referentes ao Engenhão, desde sua construção até o momento de sua interdição. O deputado enviou novo ofício na segunda-feira ao prefeito carioca, reforçando o pedido. E descobriu que a primeira solicitação havia se perdido na secretaria municipal de obras (Riourbe). A reportagem entrou em contato a Riourbe, que disse não saber de qualquer ofício, que nenhum documento enviado pelo presidente da Comissão do Legado da Copa e da Olimpíada havia chegado à secretaria. "É muito estranho que a prefeitura não tenha nos enviado nenhum documento, que são públicos. Não houve nenhuma resposta", reclamou Molon. "Essa atitude começa a levantar suspeitas. Será que há algo grave que não podemos saber", questionou. De acordo com o deputado, sua comissão pode recorrer à Lei de Acesso à Informação para obter os laudos que deseja, caso não tenha retorno até a quarta-feira da semana que vem. "Vamos tomar as medidas cabíveis." No dia 26 de março, há mais de dois meses portanto, o prefeito do Rio anunciou o fechamento do Engenhão depois que um laudo de uma empresa alemã indicou risco de colapso da cobertura em caso de ventos superiores a 63 km/h. Desde então, poucas informações foram divulgadas pela prefeitura tanto ao Botafogo, concessionário do estádio, quanto à comitiva de deputados federais que visitou o Engenhão no dia 8 de abril para conhecer detalhes do laudo da empresa alemã. Paes e os dirigentes botafoguenses se desentendiam fortemente, à medida que crescia a pressão para que mais informações fossem repassadas ao clube, que amarga enormes prejuízos, técnicos e financeiros, com a interdição de sua arena. O Botafogo tomou a decisão de se silenciar para não acirrar os ânimos, mas nos bastidores o descontentamento é grande, pois a prefeitura continua a sonegar dados do andamento do trabalho da Comissão Especial de Avaliação. O clube não vai se pronunciar até que o relatório da comissão seja divulgado. A pressão para que o Engenhão seja reaberto, que já motivou manifestações dos torcedores alvinegros nas redes sociais - com um abraço ao estádio marcado para o dia 8 de junho -, aumentou no início deste mês, depois que uma tempestade com ventos de quase 100 km/h atingiu o Rio, sem danos ao estádio. O que motivou que Paes viesse a público, com declarações contundentes, de que o fechamento era necessário. "Tenho o laudo de uma empresa alemã séria e não de um escritoriozinho qualquer", esbravejou o prefeito, no dia 9 deste mês, e chegou a dizer que o Engenhão "foi feito nas coxas, correndo, em cima da hora".
continua após publicidade