Esportes

Dilma critica 'pessimistas' e exalta Estádio de Brasília

Da Redação ·
A presidente Dilma Rousseff criticou os "pessimistas de plantão" neste sábado ao inaugurar o Estádio Nacional de Brasília, sede da abertura da Copa das Confederações, no dia 15 de junho. Para a presidente, o Brasil está mostrando que tem capacidade para construir e financiar os estádios que sediarão a Copa do Mundo, no próximo ano. "Um ano atrás, diziam que nós não iríamos construir os estádios. Que eles não ficariam prontos. Pois o que estamos vendo são estádios construídos e sendo entregues. E não são quaisquer estádios", declarou Dilma, ao exaltar as qualidades do Estádio Nacional de Brasília, erguido a um custo de R$ 1,015 bilhão. "Me deu extremo orgulho de notar a qualidade e modernidade das instalações, o critério de fazer construções sólidas, mas simples, e ao mesmo tempo, belas. É uma demonstração da capacidade de nós brasileiros, juntos, realizarmos aquilo que muitos pessimistas de plantão dizem sempre que nós não somos capazes", afirmou. Assim como a maior parte das arenas da Copa das Confederações, o Estádio Nacional de Brasília sofreu com atrasos nas obras e foi entregue com 97% de conclusão. Ou seja, ainda há ajustes a serem feitos até a abertura da competição. Inicialmente, a arena estava programada para ser inaugurada em 21 de abril. O prazo, contudo, foi ampliado para este sábado em razão de dificuldades para plantar o gramado. Na cerimônia, Dilma exaltou também a homenagem que o estádio faz ao ex-jogador Mané Garrincha. A arena foi batizada com o nome do ídolo do futebol nacional. No entanto, a Fifa vetou a utilização do nome durante a Copa das Confederações e durante o Mundial de 2014. "Estamos fazendo homenagem histórica a um grande atleta, que é Mané Garrincha. Essa homenagem é muito precisa e merecida, feita na capital federal, a um atleta brasileiro, que era um gênio na arte do futebol", exaltou a presidente. "O Garrincha, na sua simplicidade, era um jogador que demonstrou que o Brasil não era, de maneira alguma, e nem tinha esse arraigado complexo de vira-lata", disse, referindo-se à expressão cunhada pelo escritor Nelson Rodrigues. FUTURO - Para a presidente, os estádios representam um legado para a população. Por isso, ela defendeu a realização de atividades culturais, esportivas e educacionais nas arenas que sediarão a Copa das Confederações, no próximo mês, e a Copa do Mundo de 2014. "Tudo isso vem junto com todos os desafios desse País. Um desses desafios é a educação, a condição de garantirmos que nosso povo tenha de fato uma trajetória de crescimento e desenvolvimento pela educação", disse. O estádio de Brasília sediará a abertura da Copa das Confederações em 15 de junho, em um jogo entre Brasil e Japão. Antes do evento internacional, a arena passará por dois eventos-teste. O primeiro será a final do Campeonato Brasiliense, o Candangão, entre Brasiliense e Brasília, na tarde deste sábado. O segundo teste do novo estádio, com capacidade para receber 72,8 mil pessoas, será a partida entre Flamengo e Santos, no dia 26, na rodada de abertura do Brasileirão. O estádio de Brasília é a quinta arena a ser entregue para a realização da Copa das Confederações, entre os dias 15 e 30 de junho. A sexta e última entrega ocorrerá nesta semana, em Recife. Na segunda-feira, operários farão um jogo festivo que vai marcar a inauguração da Arena Pernambuco. Dois dias depois, o estádio receberá seu primeiro jogo, um amistoso entre Náutico e Sporting, de Portugal.
continua após publicidade