Esportes

Bruno Senna: Carro está rápido, mas falta aderência

Da Redação ·
 O piloto elogiou o desempenho do carro da HRT F1 Team nas retas do circuito de Xangai
fonte: googleimagens.com
O piloto elogiou o desempenho do carro da HRT F1 Team nas retas do circuito de Xangai

A falta de pressão aerodinâmica, agravada pelas baixas temperaturas do asfalto que comprometeram a aderência dos pneus, foi o principal problema encontrado por Bruno Senna durante os treinos livres que abriram a programação do Grande Prêmio da China. O piloto elogiou o desempenho do carro da HRT F1 Team nas retas do circuito de Xangai. "Somos dos mais rápidos em velocidade final. Só que falta downforce e, por isso, as saídas de curva são lentas", explicou.

continua após publicidade

Além da performance nas retas, Bruno ficou satisfeito com a resistência cada vez maior do monoposto do time espanhol. Nesta sexta-feira, completou 55 voltas na soma das duas sessões, o que corresponde a pouco mais da distância de uma corrida - 300 quilômetros. "Foi um dia tranqüilo e conseguimos fazer tudo o que estava previsto. Pela manhã, a pista ainda estava muito ruim, mas melhorou bastante na segunda parte. Ainda estamos sofrendo um pouco com o frio, que está impedindo os pneus de atingirem a temperatura ideal e prejudicam a aderência", explicou.

continua após publicidade

Bruno avaliou as duas opções de compostos de pneus que a Bridgestone levou para a China e acredita que a análise dos resultados já permite uma projeção para o restante do final de semana. "Os macios estão apresentando um desgaste mais acentuado, mas acho que, a exemplo de outras equipes, será com eles que vamos para os treinos classificatórios. A tendência é que os duros fiquem para o começo da corrida", acrescentou.

Sobre a aderência insatisfatória, característica apresentada pelo carro da HRT F1 Team desde a inauguração do calendário no Bahrein, Bruno afirmou que não há nada que possa ser feito em Xangai para atenuar suas conseqüências. "Só mesmo quando iniciarmos o desenvolvimento do carro, o que não foi possível até agora. Aqui, vamos pelo menos tentar melhorar o balanço."