Esportes

Só STJ resolverá impasse com patrocínio, diz Corinthians

Da Redação ·
O departamento jurídico do Corinthians acredita que a questão envolvendo a suspensão do patrocínio da Caixa Econômica Federal só vai se resolver no Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília. Essa decisão, calcula o clube, pode levar mais dois meses para ocorrer. Segundo os dirigentes do clube, é o departamento jurídico da Caixa que está cuidando do caso. Até o fim desta semana, o banco deverá depositar em juízo, pelo segundo mês consecutivo, mais uma parcela do valor acertado para o patrocínio da camisa corintiana: R$ 2,5 milhões. Como o problema pode se arrastar por mais dois meses, o clube corre risco de ficar sem receber R$ 10 milhões - o contrato é de R$ 30 milhões por ano, pagos em parcelas mensais. A suspensão do pagamento do patrocínio teve início depois que a 6.ª Vara Federal de Porto Alegre, em fevereiro, deu ganho de causa a uma ação popular movida pelo advogado gaúcho Antônio Beiriz, que considera o pagamento lesivo à União. Em março, o Tribunal Regional Federal da 4.ª Região negou recurso do clube e manteve suspenso o patrocínio. É uma decisão provisória, de caráter de liminar e que ainda deverá ser julgada em Porto Alegre, numa instância superior. "No Rio Grande do Sul não temos mais chances", disse o diretor jurídico do Corinthians, Luiz Alberto Bussab. "Vamos levar o caso para Brasília (STJ)", avisou. A liminar, entretanto, não impede que a Caixa continue tendo sua marca exibida na camisa do clube.
continua após publicidade