Esportes

Vasco empata e fica em situação crítica na Taça Rio

Da Redação ·
Paulo Autuori já enfrentou alguns desafios interessantes na carreira. Comandou a seleção do Peru e a do Catar, o que deve ter exigido dele a capacidade de dar consistência e qualidade coletiva a um grupo de jogadores de baixo nível técnico. Este time do Vasco apresenta desafio semelhante ao técnico, como ficou comprovado com o empate sem gols com o Olaria, nesta quarta-feira, em Moça Bonita, pela terceira rodada da Taça Rio. Autuori iniciou ontem sua história no clube da Cruz de Malta com a constatação de que terá muito trabalho para melhorar o nível de atuação de uma equipe frágil. Com a diferença de que a cobrança desta vez será muito maior, dada a história e a tradição da camisa cruzmaltina. Os vascaínos somam apenas um ponto no Grupo A do returno e estão na penúltima posição. Com a vitória do líder Volta Redonda, são oito pontos de diferença, com 12 por disputar na fase de classificação. O Botafogo está no segundo lugar, com seis, e também pode chegar a nove e deixar o Vasco em situação mais do que crítica para se manter vivo no Campeonato Carioca. Botafoguenses e vascaínos se enfrentam na próxima quarta-feira, em Volta Redonda, com o fechamento do Engenhão. "Temos que trabalhar bastante. No futebol não existe propaganda, existe trabalho. Você só sai de uma situação dessas com muita cabeça", comentou um resignado Carlos Alberto, ciente de que sua equipe não vence há quatro jogos, mesmo período em que não marcou um gol sequer. A partida também marcou o retorno do atacante Carlos Tenorio depois de seis semanas de afastamento por lesão muscular. Ironicamente, contra o mesmo adversário e no mesmo estádio onde sofreu rompimento do tendão de Aquiles, no ano passado. O equatoriano sentiu a falta de ritmo e não foi bem. Mas não foi privilégio seu. Tão nublado quanto o céu da tarde chuvosa no Rio, nesta quarta, foi o futebol apresentado pelas duas equipes. Nos primeiros 45 minutos sob a gestão do novo treinador, não se viu muita diferença do que o Vasco vinha apresentando. Apenas a entrada de Fellipe Bastos no lugar de Pedro Ken. Bastos foi muito mal e por diversas vezes foi repreendido pelo treinador. Com cinco minutos do segundo tempo, os torcedores vascaínos finalmente se levantaram na arquibancada. Tenorio e Carlos Alberto dialogaram, mas Eder Luís finalizou mal e perdeu na pequena área. A partida melhorou um pouco, com as duas equipes buscando mais o ataque. Mas nenhuma delas foi capaz de tirar o zero do placar, que fez jus ao fraco futebol visto no estádio do Bangu.

FICHA TÉCNICA: OLARIA 0 X 0 VASCO OLARIA - Moreno; Lucas, Erick Daltro (Ivan), Cleberson e Rafael; Assis, Marco Aurélio e Zé Carlos (Waldir); Victor Lemos, Erick dos Santos (Lenine) e Leandrão. Técnico - Luiz Antônio Ferreira. VASCO - Alessandro; Nei, Dedé, Renato Silva e Thiago Feltri (Elsinho); Sandro Silva, Wendel (Pedro Ken), Fellipe Bastos (Dakson) e Carlos Alberto; Eder Luis e Tenorio. Técnico - Paulo Autuori. ÁRBITRO - Rodrigo Nunes de Sá.

CARTÃO AMARELO - Rafael, Assis, Victor Lemos, Leandrão (Olaria). Nei, Fellipe Bastos, Dedé, Carlos Alberto, Dakson (Vasco).

RENDA E PÚBLICO - não disponíveis.

LOCAL - Estádio Moça Bonita, em Bangu, no Rio.

continua após publicidade