Esportes

Argentina sofre com a altitude e só empata com a Bolívia

Da Redação ·





SÃO PAULO, SP, 26 de março (Folhapress) - A seleção argentina sofreu com os 3.660 metros de altitude de La Paz e apenas empatou com a Bolívia por 1 a 1, hoje, pela 12ª rodada das eliminatórias sul-americanas para a Copa do Mundo de 2014.

Os dois gols da partida foram feitos de cabeça no primeiro tempo. Aos 24min, Marcelo Moreno, do Grêmio, abriu o placar para o time da casa. Os visitantes empataram aos 43min, com Banega.

Os argentinos sentiram bastante os efeitos da altitude da capital boliviana. Ainda assim, quase viraram o placar no final, mas não contaram com uma boa atuação de Messi, que continua sem marcar gols contra a Bolívia.

Com o empate, a Argentina vai a 24 pontos e consolida a sua liderança, pois abre cinco pontos da Colômbia, hoje na segunda colocação. Já a Bolívia vai a nove e continua em oitavo lugar.

Os quatro melhores se classificam automaticamente para o Mundial do Brasil. O quinto colocado vai disputar a repescagem contra o quinto melhor da eliminatória asiática.

As duas equipes repetiram o placar do jogo de ida, em Buenos Aires, disputado no dia 11 de novembro de 2011, e válido pela terceira rodada.

O próximo compromisso da Argentina pelas eliminatórias será no dia 7 de junho, contra a Colômbia, em Buenos Aires. A Bolívia receberá a Venezuela, no mesmo dia.

O jogo

Da equipe que goleou a Venezuela na última sexta-feira, apenas Messi, Mascherano e o goleiro Romero entraram no gramado do estádio Hernando Siles como titulares. Jogadores como Higuaín, Lavezzi, Gago e Montillo ficaram no banco de reservas.

Mas apesar do sangue novo, a Argentina sofreu muito com o ímpeto boliviano durante a partida. Aproveitando-se da altitude de La Paz, a Bolívia mostrou um futebol muito superior e agrediu os argentinos desde o início. E só não abriu o placar no começo do duelo porque o goleiro Romero teve grande atuação.

Acuada em seu campo, a seleção argentina foi ao ataque em poucas oportunidades e teve em Messi o símbolo de uma atuação apagada. O melhor jogador do mundo tinha pouca gente para jogar no setor ofensivo, já que Alejandro Sabela colocou três zagueiros na sua equipe para tentar frear a pressão adversária.

Melhor em campo, a Bolívia abriu o placar aos 24min. Chumacero partiu pela direita e cruzou para a área. Marcelo Moreno subiu livre e cabeceou no canto esquerdo, sem chances para Romero.

A seleção boliviana continuou ocupando o campo de ataque, deixando espaços atrás, especialmente no seu lado direito, o que foi aproveitado por Di María e Clemente Rodriguez, que passou a apoiar os seus companheiros da frente.

E em uma das jogadas de contra-ataque, veio o gol de empate. Messi partiu pelo meio e rolou na ponta esquerda para Clemente Rodriguez. O lateral cruzou na área e Banega cabeceou para o fundo do gol.

O segundo tempo começou da mesma forma. A Bolívia continuou com a proposta de pressionar o adversário para conseguir o segundo gol. Já a Argentina, posicionada atrás, buscava fôlego para correr nos contra-ataques.

Mas a dificuldade de jogar na altitude da capital boliviana foi cobrada à seleção visitante. Era visível nos rosto dos jogadores argentinos o cansaço.

Logo aos 6min, Di Maria caiu no gramado sentindo dores no ombro esquerdo após uma dividida. Ele foi atendido em campo e, enquanto saía do gramado, ele aproveitou para usar uma bombinha de oxigênio para melhorar a respiração.

Poucos minutos depois, foi possível ver Messi encurvado, buscando ar, enquanto seus companheiros trocavam bola no meio de campo.

Apesar do domínio boliviano, as oportunidades para a equipe local rarearam e o jogo ficou equilibrado, com passes inócuos no meio de campo.

Por sua vez, a Argentina criou algumas jogadas ofensivas e teve a sua chance de virar a partida, com Messi, aos 38min. O craque ficou de frente para o goleiro, mas chutou em cima de Galarza e desperdiçou a chance de vitória.
 

continua após publicidade