Esportes

Valmir Marafon é primeiro lugar no Paranaense de Velocidade na Terra

Da Redação ·
 Valmir Marafon ficou com o primeiro lugar
fonte: Divulgação
Valmir Marafon ficou com o primeiro lugar

A etapa de abertura do Campeonato Paranaense de Velocidade na Terra 2010 foi realizada com disputas quentes no Autódromo de São José dos Pinhais, no domingo passado (21/3).

continua após publicidade

Aprova foi organizada pela AGV Promotora de Eventos, com supervisão da Federação Paranaense de Automobilismo (FPrA), os vencedores por categoria foram: Valmir Marafon (Fusca Velocidade), Ricardo Fragnani (Fórmula Tubular Injetada), Luiz Gonçalves Jr (Fórmula Tubular Carburada), Jair Santos (Mini Fórmula Tubular “A”), Flávio Turatti (Mini Fórmula Tubular “B”), Roberto Minatoga (Turismo 5000), Jefferson Averbuch (Novatos Injetado), Wilian Zavaski (Novatos Carburado), Stive Tokarski (Marcas A) e Lucas Bornemann (Marcas B).

continua após publicidade

Fusca Velocidade

Depois de largar na pole position, Cláudio Harmuch (Grupo Uninter) rodou no “S” antes da entrada da reta e completou a primeira volta na terceira posição. Na metade da segunda volta, estourou o motor do Fusca n.º 53 e o piloto abandonou a prova. Na primeira bateria a vitória foi de Valmir Marafon e na segunda bateria venceu Rogério Melani. O resultado final foi o seguinte: 1.º) Valmir Marafon, 19 pontos; 2.º) Rogério Melani, 17; 3.º) Juliano dos Anjos, 16; 4.º) Clemerson Cruz, 12; e em 5.º) Fabiano dos Anjos, 10.

continua após publicidade

Marcas “A” e “B”

Na bateria única de 30 minutos das categorias Marcas “A” e “B”, a primeira fila foi dos irmãos Christiano e Lucas Bornemann, com as poles conquistadas em suas categorias. Na Marcas “A”, apesar do tricampeão paranaense Christiano Bornemann (WD-40/Embretech/NSO Borracha) ter dominado os treinos livres e conquistado a pole position, a primeira posição no grid foi perdida para o piloto Stive Tokarski, que tem sido seu único adversário direto na categoria, na metade da corrida. Com 20 minutos de prova, Stive Tokarski liderava a Marcas “A” e Lucas Bornemann a Marcas “B”, com boa folga para os demais concorrentes.

continua após publicidade

Ao fim de 30 voltas, a vitória na Marcas “A” foi de Stive Tokarski, com o tempo de 30min13s343, seguido de Chris Bornemann, a 5s197, e João Stabach, a 35s356. Mas, para Christiano não vencer a etapa não foi o pior problema e sim ver pilotos agredirem seu irmão Lucas no fim da corrida. “Achei covarde a atitude de alguns pilotos concorrentes do meu irmão que estreou na categoria Marcas B. Numa espécie de arrastão, agrediram o piloto sozinho. Tem gente que é frustrada na pista e tenta resolver fora dela de maneira desleal. Como eu não gosto de briga, vou continuar “surrando” eles na pista”, ironizou Chris Bornemann.

continua após publicidade

Na Marcas “B”, venceu Lucas Bornemann (WAP/Bana Pneus/Moltecni/Total Telas/TBI Industries/Academia Oxy Place/CT Noguchi’s), com tempo de 30min50s979, com Wilson Kavilhuka em segundo, a duas voltas e Edson Arantes, também a duas voltas. Foi aí que começou a confusão.

“Depois da vitória de Lucas Bornemann na Marcas B, o “Parque Fechado” foi invadido por integrantes da equipe Pamputerra, que passaram a agredir o Lucas, eu e a Elisa, namorada dele. Ato covarde de pilotos e mecânicos da equipe, que com mais alguns comparsas, transformaram o “Parque Fechado” num campo de guerra, por algum motivo na pista.

Só que nesse caso o caminho correto seria a reclamação na torre, com os comissários desportivos e diretor de prova e se fosse o caso, depois da investigação nosso piloto seria desclassificado. Agora ficou a bronca criada pela equipe agressora para o organizador do evento e a Federação resolverem”, concluiu José Bornemann, chefe de equipe da Ávila Racing.