Esportes

Pistorius nega intenção de matar namorada, e decisão de liberdade é adiada

Da Redação ·

SÃO PAULO, SP, 19 de fevereiro (Folhapress) - Acusado de assassinato premeditado da namorada e modelo Reeva Steenkamp, 29, na última quinta-feira, o corredor Oscar Pistorius, 26, vai continuar preso pelo menos até amanhã, de acordo com o juiz que instrui o caso, Desmond Nair. Após a audiência de hoje, o magistrado anunciou o adiamento após o pedido do promotor Gerrie Nel, que solicitou mais tempo para preparar sua resposta à declaração jurada formulada hoje por Pistorius, na qual negou que tivesse a intenção de matar a modelo Reeva. "O senhor permanecerá em custódia até a convocação do tribunal amanhã às 9h [4h de Brasília]", disse o juiz Nair a Pistorius, segundo a agência local "Sapa". Na audiência de hoje, o promotor Gerrie Nel justificou que o assassinato foi premeditado porque Pistorius atirou três vezes contra Reeva Steenkamp. "A vítima foi atingida três vezes quando estava no banheiro. A porta do banheiro foi derrubada pelo lado de fora. Acreditamos que a porta estava trancada com chave", disse Nel, afirmando que o corredor colocou as próteses, caminhou sete metros e atirou com a porta fechada, o que demonstra, segundo Nel, que foi um ato premeditado. No entanto, o advogado do atleta, Barry Roux, declarou que a morte de Reeva Steenkamp "não foi um assassinato premeditado". "Não há nenhum elemento que indique a mínima premeditação. Tudo o que sabemos é que se trancou no banheiro. Ela foi morta no banheiro (...) ele acreditou que era um invasor", disse. Explicação Durante a audiência, Barry Roux leu um comunicado de Pistorius, que negou a intenção de matar a namorada. "Não tinha a intenção de matar minha namorada Reeva Steenkamp", afirmou o atleta. "Desminto categoricamente esta acusação." "Reeva havia telefonado e propôs que jantássemos tranquilamente. Às 22 horas do dia 13, estávamos em nosso quarto, ela fazia ioga e eu estava na cama assistindo a televisão. Estávamos muito apaixonados. Não podíamos ser mais felizes." "Ela havia dado um presente, mas disse que eu só poderia abri-lo no dia seguinte", dia de São Valentim (dia dos namorados em vários países), completou a leitura do advogado, o que provocou uma nova crise de choro de seu cliente. "Acalme-se. Deve ficar concentrado no que está acontecendo"", disse o juiz a Pistorius. Após uma breve suspensão da audiência, para que o atleta se acalmasse, o advogado continuou com a leitura. "Já fui vítima da violência. Por este motivo, guardo uma arma de fogo de 9 mm debaixo da minha cama. Não há trancas na janela do banheiro. Alguém entrou na casa." "A noite era muito escura. Senti muito medo por acreditar que havia alguém no banheiro. Como estava sem minhas próteses, me senti vulnerável. Atirei contra a porta do banheiro e gritei", contou o advogado, falando em nome de Pistorius. O sul-africano foi o primeiro atleta biamputado a participar de uma edição de Jogos Olímpicos usando duas próteses. Em 2012, na Olimpíada de Londres, ele chegou às semifinais das provas dos 400 m rasos. Na Paraolimpíada, ele ganhou medalha de ouro nos 400 m T44. Ele causou polêmica depois de perder a prova dos 200m T44 para o brasileiro Alan Fonteles, ao reclamar de supostas vantagens da prótese usada pelo atleta brasileiro. Enterro Ao mesmo tempo, o caixão de Steenkamp chegou a uma capela de Port Elizabeth, onde o corpo da namorada de Pistorius, uma modelo de 29 anos, deve ser cremado. A cerimônia privada acontece nas proximidades de um parque desta cidade costeira, onde Steenkamp morou por vários anos.  

continua após publicidade