Esportes

Rio/2016 definirá locais de rúgbi e hóquei até fevereiro

Da Redação ·
O presidente do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio, Carlos Arthur Nuzman, prometeu, na noite da última terça-feira, durante o Prêmio Brasil Olímpico, no Rio, fazer até fevereiro o anúncio dos dois últimos locais de competição ainda indefinidos para os Jogos de 2016: rúgbi e hóquei sobre grama. O dossiê de candidatura previa a disputa do rúgbi, que entrará pela primeira vez no programa olímpico, no Estádio de São Januário, mas o Vasco não apresentou a tempo a proposta de reforma. O clube, que enfrenta problemas financeiros, decidiu não mais receber o esporte nos Jogos do Rio. O mesmo dossiê previa a realização dos jogos de hóquei no Parque Olímpico, considerado o coração dos Jogos, que está sendo construído na Barra da Tijuca. Mas o Comitê Rio/2016 decidiu levar a modalidade para o complexo esportivo de Deodoro, também na zona oeste, mas distante do centro da Olimpíada. A Federação Internacional de Hóquei reclamou e o Rio/2016 tem tentado encontrar uma solução - mas a tendência é que fique mesmo em Deodoro. Para o rúgbi, o Engenhão é uma das alternativas - a única divulgada até agora pelo comitê organizador. Segundo o Rio/2016, outras opções foram apresentadas à entidade mundial que controla a modalidade, mas o comitê se esquiva de revelá-las. Na última terça, durante o 14.º Prêmio Brasil Olímpico, Nuzman prometeu o anúncio dos dois locais escolhidos para janeiro ou, no máximo, durante a próxima reunião da comissão de organização do Comitê Olímpico Internacional (COI) no Rio, prevista para uma semana depois do carnaval, em fevereiro. Ele descartou uma possível transferência das provas de vela da Baía de Guanabara para Búzios, reivindicação feita pelo velejador Ricardo Winicki, o Bimba, que já disputou quatro edições de Jogos Olímpicos e reclamou da poluição nas águas do Rio. "Os Jogos vão ser todos na cidade do Rio", garantiu Nuzman. Algumas partidas de futebol, no entanto, serão disputadas em outras cidades do País. Sobre a despoluição da Baía de Guanabara, o presidente do Rio/2016 e do Comitê Olímpico Brasileiro afirmou que "o trabalho está sendo feito pelo governo do Estado e a Autoridade Pública Olímpica (órgão do governo federal responsável pela organização dos Jogos)". "Mas isso leva tempo, não é do dia para a noite", afirmou.
continua após publicidade