Esportes

Brasil deve evoluir para sediar torneios, diz Federer

Da Redação ·
Após grande exibição no Ginásio do Ibirapuera, Roger Federer e Jo-Wilfried Tsonga admitiram que o Brasil ainda precisa melhorar sua infraestrutura para poder receber torneios de tênis de maior porte, como o ATP Finals, almejado pelo Rio de Janeiro nos últimos anos. "Acho que seria necessário melhorar algumas coisas, sem dúvida. Porque você quer fazer com que os fãs tenham a melhor experiência possível. A imprensa do mundo todo comparece. Você precisa pensar grande. Então, obviamente, a ATP tem uma exigência alta com toda a estrutura", afirmou o suíço, que evitou entrar em detalhes sobre as carências na estrutura local. Na sua avaliação, o Ibirapuera é um ginásio pequeno diante da necessidade de maior espaço para público e mídia. "Acho que o ginásio é um pouco velho, não sei o quanto, mas você precisa de mais espaço para todos, alguns ajustes. Talvez pudesse receber um torneio 250, mas seria necessário construir uma segunda quadra", considerou, sem deixar de elogiar a torcida brasileira. "A atmosfera é ótima, o público é incrível. Não devem se preocupar com isso". Derrotado por 2 sets a 0, na noite de sábado, Tsonga também comentou sobre a possibilidade de o Brasil sediar grandes eventos de tênis no futuro. "Não neste ginásio, com certeza", ressaltou o francês, que citou as vantagens da Arena 02, atual sede do ATP Finals, em Londres. "O ginásio em Londres é realmente impressionante. É um local bonito e grande para nós, com bom espaço para torcida, mídia, vestiário, camarotes. Os ingressos estão sempre esgotados. É simplesmente perfeito", enumerou. O francês, porém, acredita que o Brasil deverá ganhar bastante estrutura para esportes após sediar a Copa do Mundo, em 2014, e os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016. "No futuro, acho que o Brasil vai melhorar muito. Será sede da Copa do Mundo, da Olimpíada... Serão várias coisas boas. Eu tenho certeza que, no futuro, o País terá condições de receber um grande torneio", apostou o atual número oito do mundo.
continua após publicidade