Esportes

Cuca critica juiz e diz que Atlético-MG 'tem que chorar'

Da Redação ·
O técnico Cuca disparou contra o árbitro Sandro Meira Ricci após o empate do Atlético Mineiro por 1 a 1 com o Flamengo, na noite de quarta-feira, no Estádio Independência, em duelo válido pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro. O treinador reclamou de um pênalti não marcado em Ronaldinho Gaúcho no primeiro tempo da partida e avaliou que o torneio vai ficar marcado pelos erros dos árbitros e pelas interferências do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). "Tem que chorar. O cara estava a cinco metros do lance, muito bem colocado, tem quarto árbitro atrás, tem o ponto eletrônico. Esse campeonato é o campeonato do STJD, da arbitragem horrível. Eles roubam a cena sempre, não tem como marcar um pênalti da maneira como ele ocorreu e isso muda o jogo", afirmou. Segundo Cuca, Ronaldinho Gaúcho lhe disse que a suposta falta cometida por Ibson foi escandalosa. "Eu queria vir aqui e falar do jogo, mas não dá. Toda vez é a mesma coisa e isso enche o saco. O Ronaldo falou no vestiário que foi o pênalti mais escandaloso que sofreu na carreira", comentou. O treinador avaliou que a partida teria se tornado bem mais fácil para o Atlético-MG se o pênalti fosse marcado, pois obrigaria o Flamengo a ir ao ataque, deixando espaços na defesa. "Se a gente faz o gol, o Flamengo tem que sair para o jogo. Não me lembro de uma equipe ter vindo tão atrás", comentou. Cuca também reclamou da conivência de Ricci com o suposto antijogo promovido pelo Flamengo. "O juiz foi conivente, ele sabe como amarrar uma partida. Para dar um cartão, demora. O Paulo Victor demorava para bater o tiro de meta, a torcida até contava", reclamou. O empate com o Flamengo deixou o Atlético-MG com 64 pontos, em segundo lugar no Campeonato Brasileiro, a oito do líder Fluminense. A equipe volta a entrar em campo no domingo, quando vai enfrentar o Coritiba, fora de casa, no Couto Pereira, pela 34ª rodada.
continua após publicidade