Esportes

UCI confirma que títulos de Armstrong ficarão vagos

Da Redação ·
A União Ciclística Internacional (UCI) confirmou nesta sexta-feira, que os sete títulos que Lance Armstrong conquistou na Volta da França e lhe foram retirados por denúncia de doping ficarão vagos. Além disso, todo o dinheiro que ele e sua equipe ganharam em premiação deverá ser devolvido. Em nota, a UCI, que se reuniu nesta sexta-feira em Genebra especialmente para discutir o caso, afirmou que "uma nuvem de suspeita permanecerá sempre sobre esse período escuro", em referência ao período entre 1998 e 2005, no qual Armstrong teria encabeçado um esquema de dopagem que lhe rendeu sete títulos consecutivos da Volta da França e o rótulo de maior nome do ciclismo. Condenado pela WADA (Agência Mundial Antidoping, na sigla em inglês) e banido do esporte, Armstrong vai ter que devolver o fruto das conquistas que obteve quando usou o doping para se beneficiar. E isso inclui não apenas os títulos, já retirados, mas também cerca de US$ 4 milhões. Na conta entra também o dinheiro obtido por outros membros das equipes U.S. Postal Service e Discovery Channel A UCI também determinou uma investigação externa para examinar as denúncias de que a própria entidade encobriu o esquema de doping de Armstrong, que teria pagado US$ 125 mil para que o caso passasse desapercebido à época em que ainda competia. Ciclistas e dirigentes envolvidos no programa de doping também serão interrogados pela comissão. Os sete títulos de Armstrong na principal competição ciclística do mundo lhe foram retirados na segunda-feira, quando a UCI confirmou a decisão da Agência Antidoping dos Estados Unidos (Usada)e baniu do esporte o ciclista, por ele ter elaborado um sofisticado esquema de doping nas equipes em que competiu. A decisão da UCI acompanha o relatório divulgado pela Usada há duas semanas. Na ocasião, a agência defendeu o banimento de Armstrong por ter elaborado "o mais sofisticado, profissional e bem-sucedido programa de doping que o esporte já viu" nas equipes U.S. Postal Service e Discovery Channel. Armstrong já declarou que não pretende levar o caso adiante - poderia recorrer à CAS. O atleta de 41 anos já negou o doping diversas vezes e diz que os resultados negativos nos centenas de testes ao qual foi submetido nos últimos testes provam sua inocência. Fora das principais competições, Armstrong tem se dedicado à fundação Livestrong, que tem por objetivo levantar fundos para pesquisas sobre o câncer. No domingo, antes de saber a decisão final da UCI, ele recebeu o apoio de cerca de 4.300 ciclistas em uma corrida beneficente no Texas.
continua após publicidade