Esportes

Presidente do Flu vai a treino e critica perseguição

Da Redação ·
Incomodado com as constantes insinuações sobre um possível favorecimento da arbitragem ao Fluminense no Campeonato Brasileiro, o presidente do clube, Peter Siemsen, acompanhou o treino desta terça-feira e reclamou da criação de um "mito" e um "clima de ódio" contra a equipe. Um dia antes, o diretor executivo do clube, Rodrigo Caetano, também havia reclamado, principalmente do tratamento recebido em Belo Horizonte, antes e depois do jogo contra o Atlético Mineiro. "Estão criando um mito. O Fluminense tem de se posicionar contra essa ‘criação’ da imprensa, dirigentes e as vezes até jogadores. Isso leva a um estado de pressão muito grande com árbitros, atletas e torcida", disse o presidente. "Tivemos um jogão domingo, o Atlético venceu merecidamente, mas o clima era de ódio, de raiva e tudo isso injustamente", afirmou Siemsen, que preferiu não citar nomes. "Agora, já estamos pensando no Coritiba. A torcida está animada e os números de venda de ingressos que recebi são impressionantes. O estádio vai estar lotado, os jogadores estão empolgados, o grupo está unido e queremos mais uma vitória", disse o presidente. Acompanhado do presidente da patrocinadora do clube, Celso Barros, Siemsen acompanhou o treino na Escola de Educação Física do Exército, na Urca (zona sul do Rio de Janeiro). Ele conversou com o técnico Abel Braga e alguns jogadores. Nesta quinta, o Fluminense volta a campo contra o Coritiba, no Engenhão.
continua após publicidade