Esportes

Rooney diz que teve 'sorte' e não quer apressar volta

Da Redação ·
Depois de sofrer um corte profundo na coxa direita durante partida do Manchester United contra o Fulham, no último dia 25 de agosto, Wayne Rooney segue se recuperando com a expectativa de voltar aos gramados no fim de setembro, como previsto anteriormente pelos médicos do seu clube. Nesta sexta-feira, o jogador disse que teve "sorte", tendo em vista o fato de que a lesão poderia ter sido mais grave. "Eu tive muita sorte porque o corte não afetou nenhum músculo a o cirurgião disse que ele ficou a 1 ou 2 milímetros de atingir a minha artéria", enfatizou o atacante, ao comentar o episódio que chegou a assustar telespectadores que acompanhavam o jogo do Manchester diante do Fulham pela TV. Eles ficaram chocados com a gravidade do corte na coxa do atleta. O corte aconteceu após Rooney tentar bloquear um chute de Hugo Rodallega nos minutos finais do confronto. No choque, o rival acabou pisando na coxa do atleta da seleção inglesa, e seu companheiro Danny Welbeck chegou a recuar ao ficar abismado com a profundidade da lesão. Apesar disso, Rooney insiste que na hora em que foi pisado "não doeu nada" e agora comemora o fato de que a lesão poderia ter sido bem mais grave. Porém, caso realmente fique fora do Manchester United pelo total de quatro semanas previstas de afastamento, o jogador não poderá disputar o clássico com o Liverpool, no dia 23 de setembro, no Anfield Road, pelo Campeonato Inglês. E, apesar do clássico em vista, Rooney não quer apressar a sua volta. "A lesão vai bem. Poderia ter sido pior do que é. O que não quero é voltar muito em breve e que a ferida se abra na primeira partida que eu jogar", disse. Com isso, a tendência é a de que Rooney só volte a atuar pelo Manchester United no próximo dia 29, contra o Tottenham, no Estádio Old Trafford, pelo Inglês. Por causa da lesão que sofreu, ele também ficou fora das convocações da Inglaterra para os jogos iniciais do país nas Eliminatórias da Europa para a Copa do Mundo de 2014, contra Moldávia e Ucrânia.
continua após publicidade