Esportes

Com título, Bruno Soares entra no time dos milionários

Da Redação ·





SÃO PAULO, SP, 6 de setembro (Folhapress) - O título no torneio de duplas mistas no Aberto dos EUA fez com que Bruno Soares, 30, entrasse no time dos tenistas que já ganharam mais US$ 1 milhão (cerca de R$ 2 milhões) em premiação no circuito profissional.

O tenista mineiro tornou-se campeão, nesta quinta-feira, em Nova York, ao lado da russa Ekaterina Makarova após baterem a tcheca Kveta Peschke e o polonês Marcin Matkowski por 2 sets a 1, com parciais de 6/7 (8-10), 6/1 e 12/10.

Além do troféu, a dupla campeã ganhou US$ 150 mil (R$ 300 mil) em premiação. Assim, com mais US$ 75 mil na conta, Soares passou a casa do US$ 1 milhão. Antes do Aberto dos EUA, ele somava US$ 998.848 em prêmios em torneios de duplas e simples na carreira.

Neste total não entram valores que o atleta possa vir a ganhar com patrocínios pessoais, assim como também não entram as despesas que venha a ter nos torneios.

Atual número 28 no ranking de duplas na ATP (Associação de Tenistas Profissionais), Soares já conquistou sete títulos (todos em duplas).

Com o título em Nova York, Soares entra para uma seleta lista de tenistas do Brasil que ganharam Grand Slams. Somente Thomaz Koch, Gustavo Kuerten, Maria Esther Bueno e Thiago Fernandes (este no juvenil) alcançaram o feito.

Já entre os milionários do tênis há mais brasileiros: Gustavo Kuerten (US$ 14,807 milhões), Fernando Meligeni (US$ $2,558 milhões), Thomaz Bellucci (US$ 2,439 milhões), Ricardo Mello (US$ 1,45 milhão), Flávio Saretta (US$ 1,23 milhão) e Marcelo Melo ($1,03 milhão), este parceiro de duplas de Bruno Soares também na Copa Davis.

Em toda a história, até o fim de 2011, 477 jogadores ganharam mais de US$ 1 milhão. O recordista é o suíço Roger Federer, com US$ 73,45 milhões (sem computar o Aberto dos EUA), seguido por Rafael Nadal, da Espanha, com US$ 50,06 milhões e o já aposentado americano Pete Sampras US$ 43,28 milhões, este em uma época em que a premiação em dinheiro nos torneios era menor.
 

continua após publicidade