Esportes

Quarta Copa do Brasil reafirma fama campeã de Felipão

Da Redação ·
Não foi à toa que Luiz Felipe Scolari recebeu o apelido de "Rei de Copas". O treinador, líder nato e mestre na arte de ser ao mesmo tempo o chefe de ordens incontestáveis e o paizão de uma grande família, reencontrou o caminho das glórias nesta quarta-feira, quando terminou de levar o Palmeiras ao título da Copa do Brasil. Esta é a quarta vez que Felipão conquista a competição, isolando-se ainda mais como maior campeão da Copa do Brasil, segundo torneio nacional em importância. De quebra, ainda cala aqueles que insistem em criticar o seu trabalho, que não rendia títulos desde sua maior glória, a Copa do Mundo de 2002 - no período, apenas um título no Usbequistão. O reencontro com o grito de campeão vem exatamente no torneio que sempre serviu como cartão de visitas do seu trabalho. A primeira conquista, em 1991, pelo humilde Criciúma, mostrou aos gigantes do futebol brasileiro que ele, Felipão, estava pronto para grandes desafios. Era um técnico maduro. Três anos depois, em 1994, o triunfo na Copa do Brasil recolocou o Grêmio no cenário internacional, alcançando o título da Copa Libertadores no ano seguinte. Idolatrado no Sul, Felipão topou o desafio de se arriscar em São Paulo e, com o título da Copa do Brasil de 1998, com o Palmeiras, mostrou que era ele o melhor treinador do Brasil no momento. Tanto que chegou à seleção brasileira e a levou ao pentacampeonato mundial, em 2002, sendo a estrela da campanha. Depois de quase uma década sem treinar clubes brasileiros, o treinador voltou ao Palmeiras como ídolo, após a Copa de 2010. Tinha a confiança de jogadores, torcida e dirigentes. Mas a falta de resultados fez Felipão entrar em conflito com boa parte daqueles que antes o apoiavam. A alta multa rescisória, porém, não permitia nem que Felipão pedisse demissão, nem que a diretoria tomasse essa atitude. E o treinador foi ficando e, ao seu estilo, reconquistando jogadores, torcedores e até os dirigentes. Com um grupo relativamente barato e sem muitas peças de reposição, ele deu um voto de confiança para o seu elenco e acabou recompensado. Apesar dos problemas de lesão, o torcedor sabe de cor o time titular. Com contrato apenas até o fim do ano, o treinador volta a ter o seu passe valorizado depois do seu quarto título de Copa do Brasil. O Palmeiras, classificado à Libertadores, quer que ele continue para buscar o bicampeonato continental para o clube e o tri para Felipão. Outros clubes também deverão aproveitar para apresentar propostas. Quem ficar com Scolari já sabe que tem boas chances de conquistar uma Copa no ano que vem.
continua após publicidade