Esportes

Chelsea conquista Liga dos Campeões

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Chelsea conquista Liga dos Campeões
fonte:
Chelsea conquista Liga dos Campeões

O Chelsea é o campeão da 57ª edição da Liga dos Campeões da Europa, o principal torneio entre clubes do Velho Continente. A equipe londrina começou atrás no placar, mas foi buscar o empate e superou o Bayern de Munique na decisão por pênaltis por 4 a 3. Müller e Drogba marcaram os gols no tempo normal, que terminou com o placar marcando 1 a 1.

continua após publicidade


O jogo foi disputado em Munique, na casa da equipe alemã, a Fußball Arena München, que recebeu este nome durante o torneio porque a Allianz, seguradora dona dos naming rights do estádio, não faz parte do quadro de patrocinadores do torneio. O fator "mando de campo", porém, não pesou no resultado final.


Roman Abramovich, o russo endinheirado que mudou a história do Chelsea a partir de 2003, investindo rios de dinheiro no time e trazendo vários craques de peso, enfim atingiu o seu maior desejo: figurar no topo do continente europeu.

continua após publicidade


Ao longo da temporada, esse desfecho parecia improvável. Dono de uma campanha irregular na Premier League - terminou apenas em sexto lugar -, o Chelsea mandou embora o técnico português André Villas-Boas no meio do caminho. Roberto Di Matteo assumiu a equipe de forma interina e escreveu o seu nome na história do futebol europeu.


Ambos os times já haviam chegado à decisão em anos recentes, mas sucumbiram diante de seus adversários. Em 2008, em Moscou (Rússia), o Chelsea perdeu o título nos pênaltis para o compatriota Manchester United, de Cristiano Ronaldo. Dois anos depois, foi a vez dos alemães serem derrotados pela Inter de Milão por 2 a 0, em Madri (Espanha).



O gol era o anúncio de que os minutos finais da partida seriam inflamados. Apesar da desvantagem no placar, o Chelsea não estava morto no jogo, muito menos o atacante Drogba. Após escanteio cobrado por Mata aos 43, o marfinense interceptou o cruzamento e cabeceou com força para o gol. Neuer ainda tocou na bola, mas nada pôde fazer diante da violência da finalização.

continua após publicidade


Com o empate, a partida foi para a prorrogação. Ou seja, mais 30 minutos de tensão estavam garantidos. E logo no início do tempo extra, Drogba recuou para ajudar o setor defensivo e acabou derrubando Ribéry na área. Pênalti.


Robben foi para a cobrança, com a chance de colocar o Bayern novamente à frente no placar. Nesse momento, porém, brilhou a estrela do experiente goleiro do Chelsea. Cech acertou o lado, defendeu a cobrança e sequer deu rebote.


Os alemães não se abateram por causa do pênalti perdido e continuaram tentando marcar o segundo. Já na etapa final da prorrogação, aos 2 minutos, Lahm arrancou pela intermediária e fez um belo lançamento para Olic, que dominou com liberdade no lado esquerdo da área e ajeitou para Van Buyten. Apesar de bem colocado, o zagueiro não acompanhou o raciocínio do companheiro. A bola saiu pela linha de fundo.

continua após publicidade


Quatro minutos depois, em jogada construída por Robben e Lahm, o lateral cruzou para Gomez, que não conseguiu dominar por causa da forte marcação londrina. David Luiz completou o serviço afastando a bola com o peito para a linha de fundo. Os ingleses aguentaram a pressão até o fim e decretaram o destino da decisão: o novo campeão europeu seria conhecido após uma série de cobranças de pênaltis.


Nas penalidades máximas, Neuer até apareceu bem, defendendo uma cobrança e, no melhor estilo Rogério Ceni, fazendo o seu gol. Desta vez, porém, ele não foi tão decisivo como na semifinal contra o Real Madrid.

continua após publicidade


Lahm e Gomez também converteram as suas cobranças, assim como David Luiz, Lampard e Ashley Cole. Cech, que já havia brilhado na prorrogação, defendeu mais um chute, agora, batido por Olic. Schweinsteiger acertou a trave.


Drogba, o herói do Chelsea no tempo normal, então foi o encarregado de bater a quinta cobrança e encerrar a série. O título inédito estava em seus pés e ele não decepcionou. O torcedor londrino, que ficou com o grito preso na garganta em 2008, hoje pôde soltar a voz e fazer a festa. Na casa do adversário.