Esportes

Aprovada a rede de emergência em saúde para Copa

Da Redação ·
continua após publicidade
O Paraná é o segundo estado da federação a receber recursos para uma rede de saúde de emergência, que servirá para a Copa do Mundo 2014 e ficará como legado para a sociedade paranaense. A informação foi do médico Vinicius Filipak, presidente da Câmara Temática de Saúde, da secretaria estadual para assuntos da Copa.
“Estamos trabalhando para abrir 182 novos leitos de enfermaria e 46 novos leitos de UTI, para atendimento pelo SUS, além de programar a estruturação de serviço de saúde do viajante, considerando o grande número de turistas que virão ao Paraná”, disse Filipak, ressaltando que será feito um atendimento pré e pós viagem, com viés na prevenção e orientação.
A reunião da Câmara Temática de Saúde foi realizada nas dependências da secretaria estadual da saúde e contou com a presença do secretário Michele Caputo Neto. “Vamos fazer uma boa Copa aqui no estado, garantindo qualidade no atendimento da saúde”, disse Michele. “Um evento como o campeonato mundial gera receita, empregos e oportunidades, por isso a saúde tem um papel importante neste contexto”, completou.
“Assim como o Governo do Estado se preocupa com os principais pontos turísticos, em Curitiba também temos a preocupação de cuidar das áreas turísticas de maior visitação, principalmente na segurança alimentar”, disse Luis Antonio, da secretaria municipal da saúde.
Vinicius Filipak, diretor da secretaria estadual da saúde, ressaltou a importância do atendimento de toda a população. “É importante lembrar que nós estamos preparados para priorizar o atendimento normal da população, paralelamente aos turistas”. “Nosso estado tem um software de gerenciamento de leitos, que ajudará neste controle com mais eficácia”, declarou o diretor.
“Também estamos promovendo a implantação de estratégia de agregação entre o Samu e o Siate, que deverão receber novas ambulâncias”, completou Filipak.
O secretário estadual da Copa, Mario Celso Cunha, alertou a importância das vacinas para os turistas. “Tanto as vacinas para doenças existentes no Brasil, como sarampo, poliomielite ou gripe, bem como a imunização de doenças aqui desconhecidas, evitando surtos ou epidemias”, disse Mario Celso, lembrando ainda do controle sanitário. “A vigilância sanitária já tem um programa de postos junto ao Porto, Aeroportos e Rodoviárias, além de vigiar bares, restaurantes, lanchonetes e ambulantes, garantindo segurança para a saúde da população”, acrescentou o secretário da Copa.
Participaram da reunião representantes das seguintes entidades: Ministério Público, Casa Militar, Siate, secretaria estadual da saúde, secretaria municipal da saúde, Associação Comercial do Paraná, Hospital do Trabalhador, Hospital Evangélico, Hospital Cajuru, Celepar, Polícia Civil, Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (Cievs), e Instituto de Criminalística do Estado do Paraná.