Esportes

Luis Fabiano quer ficar entre os cinco maiores artilheiros da história do São Paulo

Da Redação ·
 Luis Fabiano mostrou faro de gol no jogo-treino contra o Audax
fonte: Luis Moura/Gazeta Press
Luis Fabiano mostrou faro de gol no jogo-treino contra o Audax

Dono de um dos maiores salários do futebol brasileiro, o atacante Luis Fabiano, que inicia sua segunda passagem pelo São Paulo neste domingo (2), diante do Flamengo, no Morumbi, pode até realizar todos os seus sonhos no campo financeiro, mas, com a bola rolando, ainda tem muito a conquistar.

continua após publicidade

Atualmente ocupando a 12ª posição na tábua de artilheiros da história tricolor, com 118 gols marcados nos 160 jogos que disputou pela equipe entre 2001 e 2004, o camisa 9 confessou ter um sonho que pretende transformar em realidade a partir do jogo contra o Rubro-Negro: figurar, ao menos, entre os cinco maiores goleadores do clube.

continua após publicidade

O jogador tentou deixar claro que sua prioridade é ajudar o São Paulo a conquistar títulos, mas deixou escapar que alcançar o seleto grupo também é parte importante de seu planejamento nos três anos de contrato que tem a cumprir.

continua após publicidade

- Hoje sou o 12º artilheiro e minha prioridade não é ser o maior, e sim ganhar títulos, mas espero fazer muitos gols e estar entre os cinco primeiros, pois, para ajudar a equipe, só fazendo gols.

Para alcançar a meta traçada e “roubar” o lugar que hoje pertence a Luizinho, com 175 gols, Luis Fabiano precisa balançar as redes adversárias 58 vezes, meta perfeitamente alcançável se o jogador mantiver a média de sua primeira passagem pelo clube – 0,73 por jogo. Quem sabe, a partir da estreia.- Se eu fizer um golzinho na estreia será bom demais, a estreia sonhada. Depois que eu ganhar um título e ficar mais levinho, então, posso começar a pensar até no Serginho.

continua após publicidade

Luis Fabiano brincou ao se referir a Serginho Chulapa, maior artilheiro da história do clube do Morumbi.

O centroavante que atuou na equipe nas décadas de 70 e 80, mantém a ponta da tabela disparado, com 242 gols marcados contra 238 de Gino, o vice-artilheiro, 187 de Teixeirinha, o terceiro, e 182 de França, o quarto.