Especial

Combate à evasão tem 50% de eficácia

Da Redação ·
 Abandono escolar é maior no início do segundo ciclo do ensino fundamental e no primeiro ano do ensino médio
fonte: Sérgio Rodrigo
Abandono escolar é maior no início do segundo ciclo do ensino fundamental e no primeiro ano do ensino médio

Metade dos alunos acompanhados pelo programa estadual de enfrentamento à evasão escolar na região continuaram fora das salas de aula no ano passado na região. Os dados são do Núcleo Regional de Educação de Apucarana, que finalizou ontem balanço do Fica Comigo, e demonstra o desafio a ser enfrentado pela Secretaria de Estado da Educação (Seed) e Ministério Público, que lançaram ontem uma campanha para mobilizar a sociedade paranaense em torno da manutenção das crianças nas escolas.

continua após publicidade


No ano passado, dos 1.139 alunos da rede estadual de ensino na região, que tem cerca de 37 mil alunos, acompanhados pelo programa, 580 encerraram o ano letivo sem retornar às aulas.


A coordenadora do Fica Comigo do NRE local, Acácia Milano, explica que o número não é o equivalente a evasão oficial, que será emitida após uma análise das Fichas de Comunicação do Aluno Ausente (Ficaa) emitidas no ano passado e que sustentam os números já citados.

continua após publicidade


As fichas são abertas quando o aluno falta cinco dias consecutivos ou sete alternados em um período de um mês. A partir disso, os casos são acompanhados pelas equipes pedagógicas das escolas, que entram em contato com aluno e familiares. Se o estudante não retornar às atividades, o caso passa para o Conselho Tutelar. Se o problema persistir, o Ministério Público é acionado.


O levantamento do NRE mostra, entretanto, que a solução começa mesmo pela escola. No ano passado, 27,3% dos casos de evasão foram revertidos sem a necessidade de intervenção dos outros órgãos. “Nosso objetivo (do programa) é instrumentalizar as escolas para ver os motivos dessa evasão e criar redes de enfrentamento do problema”, explica.


O promotor da Vara da Infância e Adolescência de Apucarana, Gustavo Marcel Marinho concorda que a saída está na escola. “A grande maioria dos pais quer que o filho estude, o que ocorre é que eles não conseguem fazer com que o filho frequente as aulas. Acredito que o ideal é tornar a escola mais atrativa e interessante para esse aluno”, comenta.

continua após publicidade

Governo lança campanha

continua após publicidade


O Ministério Público do Paraná, em parceria com a Secretaria de Estado da Educação, lançaram ontem a campanha “Criança e adolescente na escola: essa lição é para todos!”. A iniciativa pretende mobilizar toda a sociedade paranaense a fim de identificar e trazer para a escola crianças e adolescentes que não estejam matriculados ou frequentando a rede regular de ensino. Até o dia 14 de março, educadores e promotores de Justiça de todas as regiões do estado, com o apoio dos Conselhos de Direito e Tutelares, atuarão perante associações, igrejas, instituições públicas e privadas para mobilizar a comunidade.


“Todas as escolas da rede estadual de ensino estão aptas a fazer o cadastramento dessas crianças e jovens. Havendo vaga na escola, a matrícula será efetuada imediatamente. Caso não exista a vaga imediata, o sistema da Secretaria de Estado da Educação irá identificar uma vaga adequada para que a criança ou o jovem retomem os estudos o quanto antes”, garante o secretário Flávio Arns. (Agência Estadual de Notícias).