Especial

Um produto legal

Da Redação ·
 Queijos produzidos por agricultores familiares ganham mercado
fonte: Marcos Sanches Alves
Queijos produzidos por agricultores familiares ganham mercado

Um projeto desenvolvido pela Secretaria Municipal de Indústria, Comércio e Turismo, de Ortigueira, está transformando a vida dos agricultores familiares do município. Segundo o secretário executivo Átila Santos da Paz Rosa, trata-se do Programa de Comercialização Legal do Queijo, através do qual os empreendedores rurais podem vender seus produtos no mercado local com o Selo de Inspeção Municipal (Simor). Com isso, os comerciantes também estão livres para comprar esses queijos e repassar para os consumidores com garantia procedência e qualidade.

continua após publicidade


O casal Renê Lino Coelho e esposa Maria Olívia Dias Coelho, por exemplo, aderiu ao programa e obteve o selo de inspeção para os queijos de leite de búfala que fabrica na propriedade rural. O primeiro lote com selo de qualidade já pode ser encontrado no comércio local.


O primeiro empresário de Ortigueira que aderiu à comercialização dos produtos do senhor Renê foi o proprietário do Supermercado Paraíba, Luiz Antonio Ribeiro, o Toninho. “Assim como nós acreditamos no potencial de Ortigueira para ampliarmos nossos empreendimentos, nós também acreditamos no potencial da produção leiteira e seus derivados do município. Este tipo de queijo, além de ser de qualidade, é diferenciado” conta Toninho.

continua após publicidade


O Programa Comercialização Legal do Queijo de Ortigueira teve início com a agricultora Noérzia Custódio Coelho, uma pequena fabricante de queijos que comercializava sua modesta produção de porta em porta pelas ruas da cidade. Após procurar a Secretaria de Indústria, Comércio e Turismo, Noérzia recebeu as orientações necessárias do Serviço Brasileiro de Apoio à Pequena e Média Empresa do Paraná (Sebrae-Pr) para se tornar uma Empreendedora Individual e assim poder comercializar sua produção de forma legal.


Noérzia também foi orientada por técnicos do Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-PR) e da Vigilância Sanitária sobre como adequar o seu processo de produção dentro dos padrões estabelecidos pela saúde pública. Após este passo, ela conseguiu o selo Simor, que foi o nº 002 do município e que confere ao produto a garantia de higiene e qualidade.
Hoje Noérzia comercializa seus queijos tipo frescal e mussarela no comércio local e busca aumentar a produção, pois já não está dando conta de atender aos pedidos. (Com assessoria de imprensa)

continua após publicidade


Rebanho leiteiro também
recebe atenção especial


Outros pequenos fabricantes de queijo de Ortigueira também estão sendo assistidos pela Secretaria de Indústria, Comércio e Turismo e pelo Instituto Emater para regularizar seus produtos. Em virtude desta demanda, surgiu a necessidade da instalação de outro projeto mais abrangente, o Programa Ortigueira Mais Leite, que visa o melhoramento na qualidade do leite e do rebanho.
Uma personagem importante de todo este processo é a zootecnista do Emater, Vanessa Franco de Andrade, que chegou em Ortigueira para trabalhar junto aos produtores a questão do aumento da produção leiteira e a qualidade do queijo. Seu trabalho consiste em melhorar o rebanho, trabalhar o sistema de pasto rotacionado e a reprodução do gado.

continua após publicidade


Segundo Vanessa, seu objetivo é gerar renda com a produção de leite a pasto e a agroindustrialização, que a princípio está se dando com a produção de queijo, mas que no futuro englobará outros derivados como a manteiga, iogurte e doce de leite, entre outros que já estão em estudo com os produtores do programa. (EC)

continua após publicidade


Criação de búfalos é
atividade rentável


A criação de búfalos já se firmou como uma atividade viável e rentável, até para pequenas propriedades. Nos últimos anos, a bubalinocultura brasileira encontrou seu rumo e vem se voltando para a produção de leite, para atender à crescente demanda pela conhecida mussarela de leite de búfala. A Associação Brasileira de Criadores de Búfalos (ABCB) estima que, atualmente, a produção de leite de búfalas cresça 30% ao ano.


A atividade tem algumas vantagens, se comparada à criação de bovinos, como menor custo de produção, em função da rusticidade dos animais, e a melhor remuneração pelo leite. Mas a boa notícia para os criadores de búfalos esbarra em um problema cada vez mais comum no mercado: a concorrência com queijos e derivados falsificados. (EC)