Especial

Biodiesel abastecerá frota municipal de Apucarana

Da Redação ·
Profissionais da UTFPR serão parceiros na iniciativa
fonte: Sérgio Rodrigo
Profissionais da UTFPR serão parceiros na iniciativa

Pastel, batata frita, coxinha, bolinho de bacalhau, croquetes... Estes são apenas alguns dos petiscos do cardápio brasileiro que costumam ser fritos em óleo. Depois de utilizado, o resíduo, na maioria das vezes, é jogado no ralo, terra ou lixo comum. O que muita gente não sabe, entretanto, é que este mesmo óleo de cozinha, de proporções tão poluentes, pode ser utilizado para a produção de biodiesel.
É o que a Prefeitura de Apucarana pretende fazer no município. Na primeira reportagem da Tribuna do Norte em uma série de matérias sobre o Meio Ambiente, o secretário Municipal de Meio Ambiente e Turismo, João Batista Beltrame, relata como a cidade tentará minimizar de forma sustentável os estragos provocados pelo óleo de fritura na natureza. “Como se trata de um resíduo que pode contaminar os lençóis freáticos, a solução é transformá-lo em energia, em biocombustível”, define.
A proposta, segundo o secretário, é inédita no Vale do Ivaí. Todo o trabalho para a produção do biodiesel em Apucarana será desenvolvido através de uma parceria entre a Prefeitura, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e a indústria Quimicamil. A formalização do convênio entre as instituições deve ocorrer durante a programação da Semana do Meio Ambiente, que começa amanhã e vai até o dia 6 de junho no município.
“A universidade entrará o suporte técnico, com uma linha de pesquisa, enquanto a empresa com os equipamentos e a Prefeitura com a logística necessária para conseguir o óleo de cozinha”, explica Beltrame.
A idéia, conforme ele, é implantar nos próximos dias cerca de 50 ecopontos de coleta de óleo de fritura na cidade. A intenção é que em agosto sejam produzidos os primeiros litros de biodiesel. O combustível será dividido entre os parceiros, sendo que a Prefeitura deverá usar sua parte na frota de veículos municipais. Não será necessário adaptar os motores.
“A produção dependerá de como será a coleta. Como nossa frota usa em torno de 30 mil litros de diesel por mês, pretendemos chegar a cerca de 8 mil ou 10 mil litros mensais de biodiesel. Será um processo de aperfeiçoamento, com um projeto sério e inovador”, analisa o secretário.

continua após publicidade


Matéria-prima barata


Considerado um combustível biodegradável, o biodiesel é obtido através da reação química de óleos ou gorduras (vegetais ou animais) com um álcool, na presença de um catalisador. Esta mistura pode substituir total ou parcialmente o óleo diesel de petróleo utilizado em motores automotivos.
A engenheira química Lisandra Ferreira de Lima, doutora na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), campus de Apucarana, explica que a transformação do óleo de fritura em biocombustível é benéfica ao meio ambiente. “O fator socioambiental é muito forte, uma vez que cada litro de oléo de cozinha pode poluir a água que uma pessoa vai usar por 14 anos. Além disso, o biodiesel acaba emitindo menos gases poluentes do que o diesel”, salienta.
Trata-se, segundo o químico da UFTPR Edmilson Antônio Canesin, de uma matéria-prima barata. “Economicamente falando, a produção também é viável. É mais um resíduo que deixará de ir para o ralo” aponta o mestre.
Ele, Lisandra e o engenheiro químico Gylles Ricardo Ströher já vem desenvolvendo na universidade uma linha de pesquisa voltada ao biodiesel obtido com óleo de fritura. Os trabalhos tiveram início há cerca de oito meses e os primeiros litros do bicombustível foram produzidos neste ano. (A.L.)

continua após publicidade


Glicerina para sabão


A redução da poluição ambiental ocasionada pelo óleo de fritura é vista como uma das maiores vantagens da transformação do resíduo em biocombustível, segundo o químico Márcio Raimundo. Envolvido no projeto da Prefeitura, ele também deu início a experiências voltadas ao biodiesel no âmbito acadêmico.
“Tudo partiu de um projeto piloto com alunos do Colégio São José. Os pais ajudavam, levando óleos de fritura e começamos a fazer produções e testes em um motor usado. O resultado foi ótimo”, conta.
O professor explica que o resíduo pode ter até 100% de reaproveitamento. Isso porque, além do combustível gerado, é possível obter ainda glicerina com o óleo de fritura. “Com essas sobras, podemos fazer sabão. Isso também poderá ser doado para colégios ou famílias de baixa renda”.
Ele também avalia que a incorporação do biodiesel no diesel será feita de acordo com o volume das coletas do óleo de fritura e produção. A porcentagem da mistura, segundo o químico, pode ser feita de forma gradativa. “De qualquer forma, teremos menos enxofre sendo emitido pelos veículos e a correta destinação final do resíduo”, sustenta.
O biodiesel obtido com óleo de fritura tem a mesma aparência do diesel. O despejo irregular do resíduo na água pode prejudicar o funcionamento das estações, além de encarecer o processo de tratamento. Gorduras no esgoto também podem causar entupimentos e contribuir para a ocorrência de enchentes. (A.L.)


Programação traz atividades ambientais


Uma série de atividades vai marcar a Semana do Meio Ambiente, em Apucarana. Na programação, que prossegue até o dia 6 de junho, haverá coletas de resíduos, assinaturas de convênios ambientais, recreações, blitz ecológicas, entre outros eventos.
A abertura aconteceu nesta segunda-feira, às 14 horas, na Praça Rui Barbosa. O espaço manterá durante todos os dias da semana 10 estandes ecológicos (Trituração de Lâmpadas Fluorescentes, Coleta de Remédios Vencidos, Coleta de Pilhas e Baterias, e Coleta de Óleo de Fritura).
No dia 4 de junho, às 10h30, acontece a inauguração do novo prédio da Cooperativa dos Catadores Materiais Recicláveis de Apucarana (Cocap).
As recreações prosseguem na praça central no sábado. No domingo, acontecem atividades ambientais com crianças, das 9h às 17 horas, no Bosque Municipal Parque das Aves e, às 16 horas, missa em Exaltação à Natureza, celebrada pelo bispo diocesano Celso Marchiori, no Parque São Francisco de Assis. (A.L.)