Especial

Monumento vai lembrar líderes estudantis mortos na ditadura

Da Redação ·
 Artista plástica Cristina Pozzobon criará o monumento sobre os líderes estudantis de Apucarana
fonte: Sérgio Rodrigo
Artista plástica Cristina Pozzobon criará o monumento sobre os líderes estudantis de Apucarana

A Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República vai construir um memorial em Apucarana em homenagem aos líderes estudantis Antônio dos Três Reis de Oliveira e José Idésio Brianezi, mortos durante a ditadura militar. O monumento fará parte do projeto “Direito à Memória e à Verdade”, do Governo Federal. A escultura deve ser inaugurada em meados de maio, na Praça 28 de Janeiro.
A artista plástica responsável pelo trabalho, Cristina Pozzobon, explica que o memorial consistirá não só na imagem dos jovens, mas também no resgate da história de vida e luta dos militantes. “São peças permanentes. O objetivo é mostrar para as novas gerações este passado da vida pública brasileira, para que elas possam conhecer a verdade sobre os fatos”, define.
Cristina assinala que a lembrança de trajetórias como a dos dois jovens de Apucarana contribui para evitar que novos episódios de violação dos direitos se repitam no País. “Precisamos democratizar o futuro. Mas para isso, é preciso que saibamos o que aconteceu. Só assim podemos criar uma sociedade em que isso não ocorra mais”, sustenta.
O monumento em homenagem a Três Reis e a Idésio terá aproximadamente 5 metros de comprimento, 1,3 metro de largura e 4,5 metros de altura. A escultura, feita em uma chapa de aço naval, será fixada em uma barra de concreto próximo à Biblioteca Municipal.
O secretário da Juventude de Apucarana, Moisés Tavares, explica que a escolha da Praça 28 de Janeiro para abrigar o memorial se deve à nova projeção que o local vai ganhar. “Vamos transformar a área em uma praça da juventude, com atividades voltadas aos jovens. Até a secretaria será levada para o espaço”, justifica.
A execução do “Direito à Memória e à Verdade” em Apucarana é uma parceria entre a Secretaria Especial dos Direitos Humanos, a Fundação Luterana de Diaconia (FLD), a Agência Livre para Informação, Cidadania e Educação (Alice) e Prefeitura de Apucarana.
O projeto já existe há três anos e teve início com a a exposição fotográfica “Direito à Memória e à Verdade – A ditadura no Brasil (1964-1985)“, na Câmara dos Deputados, em Brasília.
 

continua após publicidade