Especial

Desembargador ainda analisa recurso da Telexfree

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Desembargador ainda analisa recurso da Telexfree
fonte:
Desembargador ainda analisa recurso da Telexfree

A decisão da juíza Thais Khalil, do Tribunal de Justiça do Acre, que suspende a atividade da Impactus, dona da Telexfree, o que inclui o pagamento aos divulgadores e a adesão de novos interessados, no Brasil e no exterior, ainda é valida. Isso porque o desembargador Samoel Evangelista não concluiu a analise do recurso da empresa, apresentado pelos advogados na última quinta-feira, dia 20.

A expectativa, informou o departamento de comunicação do Tribunal de Justica do Acre, é que a decisão do desembargador seja dilvugada nesta segunda-feira, dia 24.

Na sexta-feira, dia 21, Carlos Costa, diretor de marketing da empresa, divulgou um video no site da empresa e na página da Telexfree em uma rede social informando sobre a suspensão das atividades. Na apresentação, Costa diz que se trata de "um momentozinho difícil e recorre à fé para acalmar os divulgadores, ao afirmar que "esta empresa tem Deus na direção". Ainda de acordo com o vídeo, a Telexfree entrou em contato com a seguradora Mapfre e dentro de 15 a 20 dias terá a "adequacao da formatação do seguro" para a empresa. A juíza determinou uma multa de R$ 500 mil no caso de descumprimento da liminar.

continua após publicidade
confira também


Desde que foi publicada a decisao da juíza Thais, os divulgadores da Telexfree têm publicado muitas informações desencontradas sobre a empresa. Como, por exemplo, que o desembargador teria suspendido a liminar da juíza, o que foi negado pelo TJ.

Preocupados com a possibilidade de perder o dinheiro investido, alguns cogitam recorrer à Justiça para reaver prejuízos. A maioria, no entanto, reclama da dificuldade de receber seus créditos.

A Telexfree, com sede nos Estados Unidos, foi classificada tanto pelo Ministerio Público quanto pela juíza como uma pirâmide financeira. Os advogados dizem, no entanto, que se trata de uma empresa de marketing multinível. Ela oferece o serviço de VoIP (voz sobre IP) e remunera os dilvulgadores que fazem a propaganda dos pacotes de serviço. Quanto mais divulgadores sob sua tutela, mais o divulgador receberá de remuneração da empresa, em tese.

Desde a divulgação da decisão, páginas noticiosas patrocinadas pelo TelexFree e divulgadores da rede social tentam organizar um movimento contra a decisão judicial, além de divulgarem informações falsas, atribuindo a liberação das atividades à Justiça Federal, onde não tramita nenhum processo.

A estratégia do MPE será ajuizar uma nova ação para que haja a anulação dos contratos da empresa com os investidores e o ressarcimento de todos. A próxima fase seria a oferta de uma denúncia de crime na Justiça, para que todos os dirigentes da empresa sejam presos.


Com informações (Freud Antunes- OaltoAcre) e Paula Pacheco - IG