Especial

Onda de protestos leva mais de 250 mil às ruas do Brasil

Da Redação ·
Onda de protestos leva mais de 250 mil às ruas do Brasil - Foto : Midia NINJA
Onda de protestos leva mais de 250 mil às ruas do Brasil - Foto : Midia NINJA

Mais de 250 mil pessoas participaram de protestos em várias cidades de norte a sul do Brasil nesta segunda-feira (17). A onda de protestos, que nas últimas semanas tinha como foco principal a redução de tarifas do transporte coletivo, ganhou proporções maiores e passou a incluir gritos de descontentamento com várias causas diferentes, no momento em que a alta de preços (inflação) e o pífio desempenho da economia derrubam esperanças de dias melhores. É a maior mobilização popular do Brasil desde os protestos pedindo o impeachment do então presidente Fernando Collor de Mello (hoje senador), em 1992.

Houve confrontos e violência em Belo Horizonte, no Rio de Janeiro, em Porto Alegre e em Brasília, onde manifestantes invadiram o Congresso Nacional. Manifestantes invadiram a Assembleia Legislativa do RJ e mantiveram 20 policiais militares como reféns. Eles também estavam feridos. A Tropa de Choque da PM retomou o prédio à força.

continua após publicidade
confira também


Em Curitiba, depois de longa passeata de protesto pacífico, alguns manifestantes tentaram invadir a sede do governo do Paraná. Um portão chegou a ser quebrado por volta das 23h, mas a Tropa de Choque da PM impediu a entrada do grupo. Alguns desses manifestantes forma presos depois de terminado protesto.

5 mil em Londrina - A avenida Higienópolis, na área central de Londrina, parou por algumas horas nesta segunda-feira (17). Pelo menos cinco mil londrinenses - jovens, em sua maioria - saíram às ruas para protestar contra a repressão policial vista em manifestações realizadas em São Paulo na última semana.

O grupo também se mostrou contra a utilização de dinheiro público na Copa do Mundo de 2014 e à falta de investimento em áreas essenciais, como a saúde e a educação. Inúmeros gritaram a favor do passe livre. Outros criticaram os governos Dilma (PT) e Beto Richa (PSDB). Alguns pediam a rejeição da PEC 37.


Com informação do jornalista Fabio Campana e do Bonde