Especial

Fluídos Positivos: A trama para matar Jesus

Da Redação ·
Fluídos Positivos: A trama para matar Jesus
fonte: Reprodução
Fluídos Positivos: A trama para matar Jesus

Nosso intuito, ao abordar este tema, é discutir as razões da morte de Jesus, tão bem relatada nas Escrituras. Queremos ressaltar as situações que levaram à trama para matar Jesus.

continua após publicidade


*Nenhum outro período da vida de Cristo é tão conhecido quanto seus últimos dias, que vão da entrada triunfal em Jerusalém, no domingo de Ramos, até o sepultamento no túmulo de José de Arimatéia, um judeu rico que o admirava.

continua após publicidade


*O acusado era um pregador e mestre bem popular que levava multidões em suas visitas missionárias. Como Jesus estava se destacando, era óbvio que estava incomodando. Em síntese, os fatos são convergentes no sentido de que o comportamento de Jesus era incompatível com os anseios daqueles que não tinham competência para executá-lo, sob o aspecto teológico e politico. E isso realmente foi um pretexto para que os Sumos Sacerdotes e os anciãos insuflassem a multidão ávida por justiça, exigindo que o governador punisse Jesus com a crucificação. Foi então que os Sumos Sacerdotes e os falsos seguidores de Jesus armaram uma cilada, onde a peça principal era Judas Iscariotes, um dos discípulos de Cristo, que ajuda a prendê-lo, cumprindo o que Jesus disse: “Eis que é chegada a hora, e o Filho do homem está sendo entregue nas mãos dos pecadores.” (Mateus 26:45)


Jesus foi preso de noite, no monte das Oliveiras, e o suor de sangue marca o começo da Paixão. Depois da prisão, Ele foi conduzido à casa do Sumo Sacerdote para uma audiência preliminar, sendo interrogado, esbofeteado várias vezes, cuspido, e sem o mínimo de escrúpulos os vis soldados romanos urinaram Nele. Levado depois a Pilatos, que após intenso interrogatório não viu nada que pudesse incriminá-lo.

continua após publicidade


Sendo depois mandado para Herodes, que decidiu que embora Jesus fosse Galileu, os crimes alegados contra o governo da época teriam ocorrido sob a jurisdição de Poncio Pilatos, e o acusado foi devolvido para o tribunal deste, onde foi julgado e condenado à morte.
*Vemos neste trecho o jogo de empurra e que realmente eles não estavam vendo nada que incriminasse Jesus. O que ressalta um dos trechos da Bíblia é a indecisão de Pilatos, mas os judeus clamavam em altos brados para que ele soltasse Barrabás, um perigoso criminoso, e crucificasse Jesus.


Então Pilatos trouxe Jesus e disse: “Eis o Vosso Rei!” E todos gritavam: “crucifica-o, crucifica-o...”

continua após publicidade


Iremos citar apenas alguns adereços que foram o martírio de Jesus
*Coroa de espinhos - era uma espécie de capacete, onde imensos espinhos como lâmina furavam o couro cabeludo de Jesus.

continua após publicidade


*Chicote que os soldados romanos o açoitaram: tinham na extremidade de suas tiras de couro pedaços de ferro ou ossos de animais. As chibatadas provocavam no corpo largas e profundas feridas, chegando a descarnar a parte atingida.


*Jesus pregado na cruz: por imensos cravos de ferro que transpassaram seus pulsos, abrindo um rombo no local por onde jorrava sangue.


***E na Sexta-Feira, às 15 horas, Ele expirou, levando consigo todos os nossos pecados.
Será que a humanidade, no seu materialismo, e o crescimento dos falsos profetas que se enriquecem em nome de Deus e seu Filho Jesus Cristo, tem o mínimo de escrúpulo quando falam em nome Deles!?