Entretenimento

Revista "Caras" chega às bancas com tarja preta

Da Redação ·
 Reprodução da capa da revista "Caras" com tarja preta na chamada principal
fonte: Divulgação
Reprodução da capa da revista "Caras" com tarja preta na chamada principal

A revista "Caras" chegou às bancas com uma tarja preta cobrindo parte de sua chamada principal de capa devido a ordem judicial concedida em favor do cavaleiro Álvaro Affonso de Miranda Neto, 38, o Doda.

continua após publicidade


Esta semana, Doda pediu à Justiça que impedisse a revista de veicular uma suposta carta de suicídio da atriz e escritora Cibele Dorsa, 36, e de mencionar o nome do cavaleiro.
 

Segundo a publicação, que afirma estar sendo censurada, a ordem judicial foi recebida quando a revista já estava na gráfica e não houve tempo hábil de fazer uma mudança adequada. A solução foi cobrir o nome de Doda com tarjas pretas.

continua após publicidade


"A edição impressa circulará esta semana tarjada como em épocas de censura militar, devido ao fato de que todo o material se encontrava em processo de impressão quando o mandado judicial chegou à editora", declarou a revista em nota divulgada na noite da última segunda-feira (28).
 

O diretor da publicação disse à Folha que pretende recorrer da decisão judicial.
 

ENTENDA O CASO


Cibele caiu da janela de seu apartamento, no bairro Real Parque, em São Paulo, na madrugada do último sábado. A morte foi registrada como suicídio.
 

No dia seguinte, a revista "Caras" passou a publicar trechos de uma carta de despedida que a atriz enviou à sua redação antes de morrer. Na carta, Cibele faz críticas pesadas a Doda, com quem teve uma filha, Viviane.