Entretenimento

Papa faz alerta sobre risco de alienação das redes sociais

Da Redação ·
Pontífice expressou suas opiniões sobre as redes sociais
fonte: Google Imagens
Pontífice expressou suas opiniões sobre as redes sociais

O papa Bento XVI expressou aprovação condicional às redes sociais nesta segunda-feira (24), elogiando seu potencial mas alertando que amizades on-line não servem como substituto para contato humano real.

continua após publicidade

O pontífice de 83 anos, que não tem conta no Facebook, expressou suas opiniões em uma mensagem com um título sério, que poderia funcionar como um tuíte: "Verdade, proclamação e autenticidade da vida na era digital".

continua após publicidade

Ele afirmou que as possibilidades das novas mídias e redes sociais oferecem "uma grande oportunidade", mas alertou sobre os riscos de despersonalização, alienação, falta de autocrítica e sobre o perigo de ter mais amigos virtuais que reais.

continua após publicidade

"É importante lembrar sempre que o contato virtual não pode e não deve substituir o contato humano real com as pessoas, em todos os níveis de nossas vidas", disse o Papa em mensagem no Dia Mundial da Comunicação da Igreja Católica.

Ele pediu aos usuários de redes sociais para se perguntarem quem são seus vizinhos nesse novo mundo e para que evitem o risco de disponibilidade permanente on-line acompanhada de "menor presença diante daqueles a quem encontramos em nossa vida cotidiana".

continua após publicidade

Os vastos horizontes das novas mídias "exigem urgentemente uma séria reflexão sobre a importância da comunicação na era digital", disse. O papa não mencionou qualquer site ou aplicativo social específico, mas ao longo da mensagem usou frequentemente termos como "compartilhar", "amigos" e "perfis". Disse também que as redes sociais podem ajudar "o diálogo, o intercâmbio, a solidariedade e a criação de possíveis relacionamentos", mas acrescentou diversos alertas.

continua após publicidade

"Entrar no ciberespaço pode ser sinal de uma busca autêntica de encontros pessoais com os outros, desde que as pessoas fiquem atentas e evitem perigos como o de se encerrarem em uma espécie de existência paralela, ou de o exposição excessiva ao mundo virtual", disse.

"Na busca de compartilhamento, de 'amigos', há o desafio de ser autêntico e fiel, e de não ceder à ilusão de construir um perfil público artificial", afirmou.