Entretenimento

ONU quer transformar cocô de astronautas em combustível

Da Redação ·
 O UnescoSat, que deverá ser lançado na primeira metade de 2011 e vai ficar cinco anos no espaço, será usado em experiências com bactérias.
fonte: Reprodução
O UnescoSat, que deverá ser lançado na primeira metade de 2011 e vai ficar cinco anos no espaço, será usado em experiências com bactérias.

A ONU (Organização das Nações Unidas) anunciou, nesta quarta-feira (17), que vai enviar um satélite de R$ 8,63 milhões (US$ 5 milhões) ao espaço para descobrir se o cocô dos astronautas poderá ser transformado em combustível.

continua após publicidade



Projetado para promover educação científica e cooperação, o UnescoSat e vai levar vários tipos de carga. Uma delas levará a bactéria Shewanella MR-1, uma das mais comuns da Terra, para descobrir se ela consegue transformar as fezes dos astronautas em hidrogênio, para usá-lo em células-combustível. A informação foi revelada pelo site Popsci.

continua após publicidade

A Nasa, agência especial americana, vem usando células-combustível desde a missão Apollo. Os astronautas bebem água produzida pelas células-combustível dos ônibus espaciais, mas como fontes de hidrogênio podem ser um problema em missões espaciais de longa duração, um suprimento renovável poderia ser útil. É aí que entra a bactéria.

Donald Platt, diretor do programa de Ciências e Sistemas Espaciais do Instituto de Tecnologia da Flórida, nos Estados Unidos, explicou que a Shewanella transforma resíduos em hidrogênio, mas os cientistas ainda precisam saber como ela irá se comportar em um ambiente sem gravidade.

continua após publicidade

A experiência vai testar a capacidade de a bactéria crescer no espaço para descobrir quanto dura seu ciclo de vida.

continua após publicidade

Outra experiência vai estudar a viabilidade dessa bactéria de sobreviver nas calotas polares de Marte, para ajudar os cientistas a identificar evidências de formas de vida extintas.

O satélie UnescoSat, que deverá ser lançado na primeira metade de 2011, ficará no espaço por cinco anos.