Entretenimento

Ópera hi-tech usa robôs cantores

Da Redação ·
 Ópera robótica usa dispositivos eletrônicos como personagens, como estantes de livros e lustre musical
fonte: Divulgação
Ópera robótica usa dispositivos eletrônicos como personagens, como estantes de livros e lustre musical

Uma ópera produzida pelo laboratório que desenvolveu a tecnologia do jogo musical Guitar Hero usa robôs cantores, instrumentos interativos e faz um uso da tecnologia que poderá mudar os shows ao vivo, revelou o jornal do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) nesta terça-feira (14).

continua após publicidade

Chamada de A Morte e os Poderes (em tradução livre), a ópera, que levou dez anos para ser montada, estreia no final deste mês em Mônaco, cujo governante, o príncipe Albert, é o patrono do projeto. Este é o primeiro espetáculo real a usar os chamados robôs de ópera.

continua após publicidade

O compositor e professor do Laboratório de Mídia do MIT, Tod Machover, que já compôs para o violinista Joshua Bell e criou instrumentos musicais para o cantor Prince, teve a ideia.

continua após publicidade

Vários anos atrás, seu projeto interativo Brain Opera (Ópera do Cérebro, em tradução livre) inspirou tecnologias que foram usadas nos jogos Guitar Hero e Rock Band.

Em apenas um ato, a ópera - que conta a história de um inventor bem sucedido e seu plano para viver para sempre com a ajuda da tecnologia-, usa dispositivos eletrônicos como personagens.

continua após publicidade

Para construir robôs de ópera realistas, dois estudantes de doutorado criaram um software que Machover chama de performance desencarnada (fora do corpo).

continua após publicidade

A ópera se passa em algum lugar no futuro, quando não existem mais seres humanos, apenas robôs. O ex-poeta Robert Pinsky escreveu a história, que conta a história de um inventor chamado Simon Powers.

continua após publicidade

Powers cria O Sistema para preservar suas descobertas e lembranças, permitindo-lhe baixar suas memórias e sua personalidade para o ambiente criado.

Sua personalidade é expressa por meio de robôs, grandes estantes de livros e um lustre musical feito de Teflon, que sua mulher toca como se fosse uma harpa.

Os estudantes Peter Torpey e Elly Jessop mediram a afinação e o volume da voz dos cantores, além da tensão nos músculos vocais e nos padrões de respiração, o que, segundo o jornal do MIT, deixou o Sistema com uma personalidade bastante realista.

Não existe nenhuma explicação sobre para onde foram os seres humanos, mas eles deixaram um texto especial para os robôs sobre relacionamentos e a condição humana. Aos poucos, ao ler os textos, os robôs começam a entender o que significa ser humano.