Entretenimento

Com câncer de próstata, Mister M pede ajuda a fãs brasileiros

Da Redação ·
Mágico ficou conhecido no Brasil por revelar mágicas nos anos 1990 - Reprodução
Mágico ficou conhecido no Brasil por revelar mágicas nos anos 1990 - Reprodução

Quem viveu a virada do milênio no Brasil certamente se lembrará do mágico Mister M, conhecido por aparecer mascarado e revelar seus truques frente às câmeras em quadros que eram exibidos no País pelo programa Fantástico. Em 2007, participou do Tudo É Possível, comandado por Eliana.

continua após publicidade

Após alguns anos longe dos noticiários, Val Valentino, nome utilizado pelo mágico, reapareceu em entrevista ao Balanço Geral da Record TV na quinta-feira (19) desabafando sobre sua situação financeira e as dificuldades enfrentadas por conta de um câncer de próstata.

"Estamos falando de cinco anos não tendo condições de trabalhar. Eu não podia entrar num avião porque a próstata inchava e eu tinha outros problemas. Eu não tinha energia e não conseguia me apresentar. Então acabei com minhas economias. Ainda tinha que manter a casa, cuidar dos meus filhos, da família", contou.

continua após publicidade

Fernando Trezza, amigo do mágico, criou uma vaquinha online para arrecadar R$ 45 mil para um tratamento pré-cirúrgico, e também tem intenções de que Mister M se mude dos Estados Unidos para o Brasil para fazer a cirurgia.

"Nos últimos cinco anos, tive sérios problemas de saúde, e por três anos passei por vários médicos que não conseguiam descobrir o que estava errado. Dois anos atrás, fui diagnosticado com algo muito ruim na próstata - não vou falar o nome. O urologista que descobriu disse que eu teria menos de um ano e que teria que ser operado ou eu estaria morto. A única coisa que ele poderia fazer era cirurgia, quimioterapia, radioterapia, e eu não queria fazer isso", detalhou sobre o surgimento do problema.

"Perguntei quanto tempo eu teria. Seria um ano. E fui embora do consultório. Não tomei a medicação que ele gostaria que eu tomasse, por causa dos efeitos colaterais, que eram terríveis. Um ano depois do diagnóstico eu estava vivo. Isso foi incrível", complementou.

continua após publicidade

Sobre o País, falou em outro momento do depoimento: "Eu me sinto tão abençoado. Eu amo todos vocês, o Brasil sempre foi uma segunda casa para mim. Ou melhor, é minha segunda casa. E seria um lugar onde eu viveria se não morasse nos Estados Unidos".

Fonte: AGÊNCIA ESTADO