Entretenimento

Bonner latia feito cachorro, diz Lilian Witte Fibe

Da Redação ·
 Lilian Witte Fibe contou que William Bonner costumava imitar um cachorro latindo na redação
fonte: Julia Chequer/R7
Lilian Witte Fibe contou que William Bonner costumava imitar um cachorro latindo na redação

O jornalismo foi o tema do segundo dia de debate da série Encontros Estadão & Cultura, que discute os 60 anos da TV no Brasil. Participaram do evento promovido pelo jornal O Estado de S.Paulo e pela Livraria Cultura em São Paulo os jornalistas Ana Paula Padrão, Paulo Markun e Lilian Witte Fibe.

continua após publicidade

Um dos assuntos foi o famoso Twitter de William Bonner, editor-chefe e apresentador do Jornal Nacional. Ana Paula disse desconhecê-lo. Lilian, que também afirmou não acompanhar os dizeres engraçadinhos do apresentador na internet, filosofou:

continua após publicidade

- Talvez o sucesso [no Twitter] seja porque ele está sendo ele. O William é um cara muito engraçado. Trabalhei com ele por dois anos e meio no Jornal Nacional. Durante as tardes, por exemplo, ele brincava, latia que nem cachorro na redação [risos]. Acho que ele se soltou na internet.

Questionada se fica incomodada com o tratamento de celebridade, a apresentadora do Jornal da Record declarou que não é muito fã de pedidos de autógrafos e fotos. Ana Paula afirmou que vive “de conteúdo” e não de seu corpo.

continua após publicidade

Quando a pergunta foi se a beleza é fundamental na TV, Lilian Witte Fibe declarou:

- Se beleza fosse tudo [na TV], Boris Casoy não seria âncora.

continua após publicidade

Markun disse que a profissão de jornalista está em crise e que não acha que programas de humor como o CQC ou Pânico na TV façam um novo tipo de jornalismo.

continua após publicidade

- Acho que programas desse gênero não contribuem para o esclarecimento da sociedade.

continua após publicidade

Na palestra que tentou discutir os rumos do jornalismo nos 60 anos de televisão, Lilian contou que, quando está diante da telinha, passa bem longe do que a maioria dos brasileiros assiste.

- Só vejo TV fechada. E vejo muito a TV americana também, como os noticiários da CBS, NBC e ABC, que são todos iguais.

continua após publicidade

Ana Paula Padrão foi no sentido oposto.

continua após publicidade

- Tenho de ver TV aberta, porque é ela que paga meu salário e é onde dou o melhor de mim.

continua após publicidade

Quando a cobertura do crime que envolveu o goleiro do Flamengo Bruno entrou em pauta, Lilian falou que não consegue entender por que os veículos noticiam o que o jogador comeu no café-da-manhã na prisão e disse que não suporta mais ouvir falar do crime.

Ana Paula Padrão afirmou não concordar que a cobertura do caso seja sensacionalista e lembrou “que já foi muito pior, como nos tempos do Aqui Agora”.

continua após publicidade

- É do ser humano se sentir atraído pelo bizarro e pelo sórdido.

Ana ainda contou que sofreu “uma crise de consciência fruto da culpa católica” no dia em que surgiu a notícia de que a mão de Eliza Samúdio teria sido dada aos cachorros.

- Fiquei pensando: a gente não pode dar isso. Aí, quando cheguei à redação e abri os sites, a notícia era manchete em todos os portais. Não é culpa da mídia. A sociedade é violenta.

Aos 44 anos, a apresentadora do Jornal da Record ainda disse que “sonha com que a TV brasileira adote o modelo norte-americano, com âncoras mais maduros”.

- Acho que esse movimento tende a acontecer. O telespectador quer ver pessoas mais experientes na bancada.