Thriller de Paul Verhoeven embola disputa em Cannes - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Entretenimento

Escrito por Folha Press
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

GUILHERME GENESTRETI, ENVIADO ESPECIAL
CANNES, FRANÇA (FOLHAPRESS) - Isabelle Huppert acaba de se tornar a mais forte concorrente da brasileira Sonia Braga ("Aquarius") pelo prêmio de melhor atriz em Cannes. A francesa vive a protagonista de "Elle", novo thriller de Paul Verhoeven e último filme a ser exibido na competição.
Na trama, a Huppert interpreta Michéle, executiva algo megera, que sofre um estupro em sua casa. A partir do crime, que abre o filme, o holandês Verhoeven subverte as regras do gênero do thriller pondo a vítima para colocar as próprias cartas contra os que estão ao redor.
A performance ousada de Huppert como a vítima ensandecida e ambígua foi saudada como um dos pontos altos do filme, um "thriller lascivamente sombrio sobre a crise de meia-idade", segundo a revista "The Hollywood Reporter".
"Foi um milagre achar um projeto assim tão novo", disse Verhoeven na coletiva de imprensa. "Elle" é o primeiro filme rodado na França pelo diretor de clássicos americanos como "Instinto Selvagem", "RoboCop" e "O Vingador do Futuro".
Do primeiro filme, "Elle" recupera boa parte do universo de perversidade.
Verhoeven, que não filma nada em solo americano desde "O Homem Sem Sombra" (2000), afirma que não tem encontrado roteiros interessantes nos Estados Unidos. "O que é feito lá hoje em dia não me interessa ou eu mesmo já fiz", disse.
Nem promessas de retornos polpudos o satisfariam, segundo diz. "Dinheiro não importa. Ou melhor, ele chega de qualquer forma -se você é bom naquilo que faz."
Huppert afirmou que entrou no projeto por se ver encaixada no roteiro cheio de ironia, "que nunca dá explicações, só lança hipóteses, o que facilita a performance".
Ela crê que o retrato ambíguo do estupro sofrido pela personagem não vá chocar o público. "A história não é um manifesto sobre um estupro, é mais um conto, uma fantasia."
OUTRO CRIME
Também é um estupro -ou melhor, uma suspeita de estupro-que desencadeia o conflito em "Forushande", filme do iraniano Asghar Farhadi que também disputa a Palma de Ouro.
Os dilemas morais e a crítica social aos costumes iranianos ecoam outro título do diretor, o elogiado "A Separação" (2011), que levou o Urso de Ouro no Festival de Berlim e foi indicado ao Oscar de melhor roteiro.
"Forushande" lida com a história de um casal de classe média, ambos atores de um grupo de teatro, que são forçados a se mudar para um novo apartamento. Certa noite, o lugar é invadido e a mulher é atacada enquanto tomava banho. O até então sereno marido parte para se vingar.
O jornalista GUILHERME GENESTRETI se hospeda a convite do Festival de Cannes

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "Thriller de Paul Verhoeven embola disputa em Cannes"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Candidatos

Não encontramos candidatos com o filtro selecionado.