Irmãos Dardenne exibem drama sobre culpa europeia no Festival de Cannes - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Entretenimento

Irmãos Dardenne exibem drama sobre culpa europeia no Festival de Cannes

Escrito por Folha Press
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

GUILHERME GENESTRETI, ENVIADO ESPECIAL*
CANNES, FRANÇA (FOLHAPRESS) - "La Fille Inconnue", filme que os irmãos Jean-Pierre e Luc Dardenne exibiram na manhã desta quarta (18), na competição do Festival de Cannes, gira em torno de uma médica (Adèle Haenel) que remói a culpa por ter se recusado a tratar uma paciente, imigrante africana, fora de seu expediente.
Embora os diretores belgas tenham negado qualquer subtexto, é inevitável relacionar à trama ao contexto da Europa de hoje, com os europeus tendo de se posicionar em relação aos refugiados.
"Pertence ao espectador essa interpretação", disse o caçula, Luc Dardenne, 62, na coletiva de imprensa após a projeção de "La Fille Inconnue". "Não estamos lançando uma mensagem, no fundo sobre uma médica e sobre a responsabilidade dela e dos que a cercam."
Eles também descartaram qualquer relação com os ataques terroristas recentes à França e à Bélgica. "O roteiro já estava escrito muito antes desses horríveis atentados", disse o Dardenne primogênito, Jean-Pierre, 65.
Na trama, uma imigrante toca a campainha da unidade médica de Jenny a altas horas da noite. Médica durona, querendo dar lições de distanciamento emocional ao residente com quem trabalha, a personagem não o deixa abrir a porta. "Se fosse mesmo urgente, ela teria tocado uma segunda vez a campanha", diz.
No dia seguinte, a moça africana é achada morta ali perto, sem documentos: foi assassinada. Culpada, Jenny fica obcecada por descobrir a identidade da mulher e empreende uma busca que destrincha muitas das preocupações dos Dardenne: a culpa, a integridade e a realidade social dos menos abastados na Europa.
Os temas já apareciam, por exemplo, em "Dois Dias, Uma Noite" (2014), que também competiu em Cannes e rendeu à atriz Marion Cotillard uma indicação ao Oscar por seu papel como uma mulher belga desempregada.
"As mulheres nos nossos filmes são mulheres que se sentem responsáveis, que são livres e que fazem a sociedade ir à frente", comentou Luc.
Inquiridos com a inevitável pergunta sobre como é dividir a direção com um irmão, Jean-Pierre brincou: "Não há segredo; somos uma pessoa só".
TRÁFICO NAS FILIPINAS
O cotidiano dos desvalidos também foi foco de outro diretor na competição, o filipino Brillante Mendoza, que apresentou em Cannes o seu "Ma' Rosa".
O filme gira em torno de uma matriarca que vive numa espécie de favela em Manila e sobrevive de pequenos trocados. Quando o marido, um pequeno traficante de drogas, e ela são presos, o casal é obrigado a lidar com policiais corruptos que os desejam extorquir em troca da liberdade.

*O jornalista se hospeda a convite do Festival de Cannes

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "Irmãos Dardenne exibem drama sobre culpa europeia no Festival de Cannes"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Candidatos

Não encontramos candidatos com o filtro selecionado.