Mais lidas

    Entretenimento

    Entretenimento

    Vilão de 'Star Wars' vive motorista poeta em filme de Jim Jarmusch

    Foto: www.laparola.com.br
    Foto por Reprodução
    Escrito por Folha Press
    Publicado em 27.05.2016, 08:26:00 Editado em 27.05.2016, 15:51:03
    Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, anuncie no TNOnline.

    GUILHERME GENESTRETI, ENVIADO ESPECIAL *
    CANNES, FRANÇA (FOLHAPRESS) - Na disputa pela Palma de Ouro os americanos se mostraram bem mais contidos -ao menos, é o que mostram dois dos três títulos daquele país exibidos no Festival de Cannes.
    Com "Paterson", um dos longas mais elogiados da mostra até agora, o indie Jim Jarmusch revolve em reflexões quase zen sobre as trivialidades do cotidiano que resumem a existência -ideia que na tela é tomada pelos poemas escritos pelo personagem título, um motorista de ônibus de uma cidade pequena americana, vivido por Adam Driver (o vilão do recente "Star Wars").
    Paterson reflete -e escreve- sobre o que vê a partir de sua esquemática rotina e da convivência com os poucos que são próximos: basicamente, a namorada perdida, o buldogue sarcástico e os amigos do bar que ele frequenta religiosamente.
    O filme é uma típica obra low profile do diretor, talvez a mais pessoal delas: bem mais contida do que "Flores Partidas" (2005) e "Estranhos no Paraíso" (1984), também exibidas em Cannes. O protagonista carrega o tipo de aura "jarmuschiana" com sua aparência ordinária e sua vocação para melancólicas divagações existenciais.
    Jarmusch tem outro título na 69ª edição do Festival de Cannes, mas fora da competição: o documentário biográfico "Gimme Danger", sobre Iggy Pop.
    APOSTA DE OSCAR
    Segundo americano na disputa, "Loving", de Jeff Nichols, é um melodrama com uma questão social de pano de fundo que pode até não levar o prêmio na mostra francesa, mas sai como uma das apostas para ser lembrado no Oscar, pelo menos pelas atuações de Joel Edgerton e Ruth Negga.
    Os atores interpretam um homem branco e uma mulher negra que resolvem se casar a despeito da proibição legal sobre o casamento inter-racial no Estado da Virginia durante os anos 1950, pré-luta pelos direitos civis. O caso é inspirado na história de Richard e Mildred Loving.
    "O que ocorre entre duas pessoas não é da conta de ninguém", disse o australiano Edgerton após a exibição do filme, lembrando que até 2000 o Estado de Alabama não reconhecia casamentos inter-raciais e levando a discussão para a legalização do casamento gay no mundo.
    Segundo Nichols, foi a questão da união entre pessoas do mesmo sexo, decidida pela Suprema Corte dos EUA, no ano passado que o levou a ir atrás do caso Loving, espécie de pedra fundamental nas discussões jurídicas sobre leis antimiscigenação naquele país.

    * O jornalista GUILHERME GENESTRETI se hospeda a convite do Festival de Cannes

    Gostou desta matéria? Compartilhe!

    Mais matérias de Entretenimento

    Deixe seu comentário sobre: "Vilão de 'Star Wars' vive motorista poeta em filme de Jim Jarmusch"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.