Vargas Llosa defende liberalismo em conferência - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Entretenimento

Escrito por Folha Press
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

SYLVIA COLOMBO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O escritor peruano Mario Vargas Llosa, 80, abriu, na noite desta segunda-feira (9), a programação 2016 do evento Fronteiras do Pensamento, em São Paulo, fazendo uma ampla defesa do liberalismo ("é a corrente ideológica mais civilizada e a única que pode permitir a coexistência de pessoas, religiões e comportamentos diferentes e de construir economias mais prósperas").
O prêmio Nobel deixou de lado a literatura em sua conferência. Durante mais de uma hora, mapeou a trajetória de sua formação política, iniciada quando tinha 14 anos. Na época, o Peru atravessava a ditadura do general Odría (1948-1956). Indignado com o autoritarismo, Vargas Llosa se entusiasmou com o socialismo. "Fiz uma ideia do comunismo como algo que faria possível trazer o Paraíso à Terra."
A experiência como militante comunista, porém, durou pouco mais de um ano, porque o escritor diz ter se incomodado com o dogmatismo dos debates e com a contundência violenta com que seus colegas defendiam suas ideias.
Ainda assim, o Nobel disse ter continuado a se considerar de esquerda por certo tempo, por conta da Revolução Cubana de 1959. "Havia uma atmosfera de muito entusiasmo, então, em torno dos barbudos de Sierra Maestra, e a Revolução parecia ser a concretização de um grande ideal. Uma oportunidade para conciliar, por fim, as ideias de liberdade e de Justiça social com o compromisso com os direitos humanos."
A decepção e a ruptura com Fidel Castro e o regime, porém, viriam em 1971, quando se deu o famoso "caso Padilla", a prisão do poeta Heberto Padilla (1932-2000), antes um defensor da Revolução, depois considerado um traidor. O "caso Padilla" também fez com que vários outros intelectuais latino-americanos abandonassem o apoio a Fidel Castro.
Vargas Llosa contou algumas passagens tensas e anedotas daquele tempo em que frequentou Cuba. Uma delas foi uma reunião entre ele, outros intelectuais críticos a Castro e o próprio ditador, em Havana, para expressar sua insatisfação. Seu grupo, porém, praticamente não pôde falar. "A reunião foi das oito da noite às oito da manhã. Fidel é um homem carismático, falou o tempo todo com muita paixão sobre a Revolução, mas não conseguiu dar explicações plausíveis para as perseguições a homossexuais e a opositores."
O escritor disse que, após a decepção com Cuba e o socialismo, sentiu-se "órfão" do ponto de vista ideológico, mas que a leitura dos existencialistas franceses, dos liberais ingleses, e em especial de autores como Raymond Aron, Jean-Paul Sartre, Isaiah Berlin e Karl Popper o ajudaram a abrir os olhos para o que hoje considera ser o melhor modo de governo.
"As sociedades mais avançadas chegaram onde chegaram com democracias políticas e com liberdade no campo econômico."
Com relação a Popper, disse que a principal lição foi a ideia de tolerância e de que não se pode coagir as sociedades a viver sob modelos únicos, pois a busca da perfeição é impossível no campo político.
"Para Popper, todas as tentativas de baixar o Paraíso à Terra terminaram em tragédia."
Vargas Llosa acrescentou que "buscar a perfeição nas artes é perfeitamente legítimo, mas busca-la no campo social quando se trata de coletividades é brincar com fogo e pode nos jogar ao inferno."
PERU E BRASIL
Sobre as eleições em seu país, que ocorrem no próximo dia 5 de junho, Vargas Llosa diz esperar que as pesquisas não se confirmem, e que a filha do ex-ditador Alberto Fujimori (1990-2000), Keiko, não vença o pleito.
Vargas Llosa competiu com Fujimori em 1990, e fez um balanço da campanha eleitoral: "Foi uma experiência ingrata, descobri que a política real é muito diferente daquela que imaginamos no campo intelectual. Foi ingrata, mas muito instrutiva."
Perguntado sobre se achava que a atual situação do Brasil era "surrealista", Vargas Llosa afirmou que ser surrealista "no campo artístico é bom e pode gerar obras-primas, mas na política pode ser desastroso", arrancando risos da plateia.
De modo geral, porém, opinou que a situação no Brasil não é tão ruim como parece e se disse otimista.
"O que está ocorrendo é que há um movimento popular que quer purificar a democracia, livra-la da corrupção, e creio que isso é muito saudável. É um movimento multitudinário que exige que os eleitos governem de forma limpa. Não vejo no Brasil o caos. Vejo um grande movimento de saneamento, uma luta popular contra a corrupção. Não são objetivos irreais, são alcançáveis e podem levar o Brasil a decolar ao progresso e à Justiça social."

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "Vargas Llosa defende liberalismo em conferência"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Candidatos

Não encontramos candidatos com o filtro selecionado.