Com músicas 'de gaveta', disco do Radiohead une belos sons etéreos - TNOnline
Mais lidas
Ver todos

Entretenimento

Com músicas 'de gaveta', disco do Radiohead une belos sons etéreos

Escrito por Folha Press
Publicado em Editado em
Associe sua marca ao jornalismo sério e de credibilidade, .

SÓ PODE SER PUBLICADO NA ÍNTEGRA E COM ASSINATURA
ANDRÉ BARCINSKI
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Algumas bandas são transparentes em sua música: você ouve o disco e entende de primeira as motivações, os dramas e o momento de vida dos músicos. Não é o caso do Radiohead. Quem tenta "entender" a banda por meio de seu trabalho vai penar.
Para começo de conversa, as letras de Thom Yorke são extremamente pessoais e crípticas. Para dificultar ainda mais, a banda gosta de deixar músicas no armário por um bom tempo antes de lançá-las. Das 11 faixas de "A Moon Shaped Pool", lançado neste domingo (8), pelo menos cinco são tocadas em shows há algum tempo -uma delas, há mais de duas décadas.
"Burn the Witch" e "Daydreaming" já haviam sido lançados como "singles" e abrem o disco. A primeira é a música mais pesada do novo trabalho, com um arranjo orquestral intenso e sombrio. Já "Daydreaming" é lenta e lúdica, quase "ambient" de tão etérea.
"Decks Dark" começa como uma balada atmosférica, cheia de efeitos eletrônicos, e emenda num mantra repetitivo e pesado que remete a bandas alemãs do krautrock como Neu! e Faust, amadas pelo Radiohead.
Yorke emula Nick Drake em "Desert Island Disk", uma balada de toques folk que ele havia apresentado em shows solo no fim de 2015. A letra parece falar de um "novo começo" após uma ruptura qualquer. Nas redes sociais, fãs especulam que a letra pode ter sido inspirada pelo fim do relacionamento de 23 anos com a namorada, Rachel Owens.
"Full Stop" é uma beleza do início do fim, começando com uma levada eletrônica grave à Portishead e virando um trip-hop. Em 2012, Yorke disse aos fãs, depois de tocá-la em um show: "Assim como vinho, ela vai melhorar com o tempo".
O disco cai um pouco nas três faixas seguintes. "Glass Eyes" é uma balada triste e sem brilho; "Identikit" -também tocada ao vivo há pelo menos quatro anos- soa excessivamente dramática, com um coral que beira a cafonice, e "The Numbers" tem uma letra de cunho "social" que parece ter sido escrita por um moleque de 12 anos: "Nós conclamamos o povo / o povo tem o poder / os números não decidem / seu sistema é uma mentira".
assista ao clipe
Felizmente o disco cresce no fim, com "Present Tense" (tocada ao vivo desde 2008), com sua sonoridade latina de percussão e violão, "Tinker Tailor Soldier Sailor Rich Man Poor Man Beggar Thief", que remete às trilhas sonoras que o guitarrista Jonny Greenwood fez para Paul Thomas Anderson, especialmente "O Mestre", e "True Love Waits", faixa conhecida de shows desde 1995 e que tinha saído apenas no EP ao vivo "I Might Be Wrong", de 2001.
Sobre uma base de piano minimalista e repetitiva, Yorke canta, do ponto de vista feminino ("Eu abdico de minhas crenças / para ter um filho seu") uma letra triste sobre um caso que parece prestes a acabar.

A MOON SHAPED POOL
QUANTO: US$ 13 (cerca de R$ 45, versão digital) a US$ 86,50 (cerca de R$ 305, caixa especial), em amoonshapedpool.com
AUTOR: Radiohead
AVALIAÇÃO: muito bom

Gostou desta matéria? Compartilhe!

Deixe seu comentário sobre: "Com músicas 'de gaveta', disco do Radiohead une belos sons etéreos"

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Candidatos

Não encontramos candidatos com o filtro selecionado.