Entretenimento

Gil e Emicida lamentam a morte de Naná Vasconcelos

Da Redação ·
Percusionista morreu aos 71 anos em Recife, vítima de uma parada cardiorrespiratória (Foto - Divulgação)
Percusionista morreu aos 71 anos em Recife, vítima de uma parada cardiorrespiratória (Foto - Divulgação)

Um dos principais nomes da percussão no Brasil, Naná Vasconcelos deixou "tambores silenciosos" no Brasil nesta quarta-feira (9), disse João Barone, baterista da banda Os Paralamas do Sucesso, pelo Twitter.
O músico pernambucano morreu aos 71 anos em Recife, vítima de uma parada cardiorrespiratória. Ele lutava contra um câncer de pulmão, descoberto em agosto do ano passado. A notícia mobilizou artistas e políticos.
"'Minha maneira de pensar música vai continuar viva depois de mim'. Descanse em paz, querido", escreveu Gilberto Gil, parafraseando o percussionista, com quem trabalhou na produção artística do festival PercPan na década de 1990. 

continua após publicidade


"Descanse em paz, grande Naná Vasconcelos. Obrigado por compartilhar seus sons conosco. Dia triste para a música", disse o rapper Emicida.
Em nota, o ministro da Cultura, Juca Ferreira, disse que Naná foi um dos maiores do mundo em seu campo musical e "nos ensinou a ouvir o Brasil".
"Ele nos trouxe de volta um país profundo, refugiado em nossas memórias de infância. Toda a sua obra como artista está impregnada de referências que são parte essencial do nosso modo de ser e de sentir", escreveu. 


O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), e o prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), também divulgaram comunicados lamentando a morte do artista.
"Naná era um gênio, um autodidata que, com sua percussão inventiva e contagiante, conquistou as ruas, os teatros, as academias", afirmou Câmara.
"Ele conseguiu ser do mundo inteiro, e nos levar a todos os cantos, como artista universal, sendo também, ao mesmo tempo, um dos mais locais entre os pernambucanos geniais", disse Julio. 

continua após publicidade


CARREIRA
Juvenal de Holanda Vasconcelos nasceu no Recife, em 1944, mas começou sua carreira quando se mudou para o Rio de Janeiro para trabalhar com Milton Nascimento, com quem gravou dois LPs, na década de 1960.
Em 1970, quando Gato Barbieri, saxofonista argentino, o convidou para fazer parte do seu grupo, o percussionista começou uma longa carreira fora do país e ganhou projeção internacional.
Gravou com B.B. King, Talking Heads e Jean-Luc Ponty e fez turnê com o guitarrista Pat Metheny.
Nos anos 1980, quando passou a ser mais presente no cenário nacional, trabalhou com nomes como Caetano Veloso, Mundo Livre S/A e Marisa Monte.
O pernambucano foi eleito oito vezes melhor percussionista do mundo e venceu oito prêmios Grammy. Ele tinha entre seus fãs o cineasta italiano Bernardo Bertolucci.
O velório está marcado para as 14h, na Assembleia Legislativa de Pernambuco. O enterro será nesta quinta (10), a partir das 10h, no cemitério de Santo Amaro, área central do Recife.
Veja mais reações à morte de Naná Vasconcelos
Alceu Valença, cantor: "Hoje viajou um dos maiores artistas e percussionistas de todos os tempos: Naná pernambucano, brasileiro, africano, universal. Naná do bombo, agogô, maracatu, do berimbau. Naná do compromisso com a cultura, Naná do Carnaval. Naná da música popular, do jazz, do erudito, dos gritos sonoros, do 'perequetê, perequetê, perequetê' que ficarão nos corações e nos ouvidos de todos nós."
Gabriel, o Pensador, cantor: "Não vou estranhar se os trovões, os ventos e as chuvas passarem a soar bem melhor, em combinações inusitadas de ritmos, depois da chegada do mestre Naná Vasconcelos ao céu."
Pitty, cantora: "Que coisa linda é a obra e o talento de mestre Naná.... Obrigada, siga em paz."
Ed Motta, cantor: "Descanse em paz."
China, cantor: "Os tambores hoje ficaram silenciosos aqui embaixo. Mas no céu o batuque está lindo. Salve Naná Vasconcelos."
Fred Zero Quatro, vocalista do grupo Mundo Livre S/A: "Descansa em paz, Naná. Meus sentimentos a todos os parentes, muita luz e coragem nesse momento. A música brasileira perde muito de seu brilho e originalidade."
Elba Ramalho, cantora: "As alfaias serão sempre tocadas em sua homenagem. Descanse em paz, queridíssimo."
Jair Oliveira, cantor: "Descanse em paz, Naná Vasconcelos."
Pedro Mariano, cantor: "Obrigado por tudo aquilo que você fez pela música brasileira."
Antonio Prata, escritor: "Se o Naná Vasconcelos fosse americano o Brasil ia estar de luto."
Serginho Groisman, apresentador: "Naná Vasconcelos, um dos maiores percussionistas do mundo com uma uma obra genial. Tive a honra de recebe-lo várias vezes. Fica a tristeza."
Dan Stulbach, apresentador: "Um gênio da música, uma pessoa incrível. Enorme perda. obrigado Naná."
Lazaro Ramos, ator: "Hoje foi embora Naná Vasconcelos. Sempre ouvi falar desse mito, até que no início do ano 2000 consegui ver uma performance dele no PercPan, festival de percussão. Fiquei encantado e compreendi o tamanho daquele mestre das artes. Obrigado pelo legado, mestre!"