Entretenimento

Curiosidades em livro de Giba vão de pênis quebrado a maconha

Da Redação ·
Curiosidades em livro de Giba vão de pênis quebrado a filme sobre maconha - Foto: Arquivo/Imagem ilustrativa
fonte: espiritoesportivo.com
Curiosidades em livro de Giba vão de pênis quebrado a filme sobre maconha - Foto: Arquivo/Imagem ilustrativa

MARCEL MERGUIZO
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Além de contar que o levantador Ricardinho foi cortado por indisciplina e atraso na reapresentação antes do Pan do Rio, em 2007, Giba revela outras curiosidades, algumas em momentos polêmicos, em sua biografia "Giba Neles!", como o uso de maconha, a fratura do pênis e a marmelada no Mundial de 2010.

Sobre a polêmica partida em que o Brasil entregou para a Bulgária, no Mundial de 2010, Giba conta em detalhes o que revelou na sabatina da Folha de S.Paulo, em setembro: os jogadores decidiram juntos que o melhor seria perder para ter um caminho mais fácil na sequência da competição.

"Decidimos, a portas fechadas, que perderíamos o jogo, cientes de que seríamos bombardeados de críticas e, a partir dali, praticamente obrigados a conquistar o título mundial. Minha opinião? Perder aqui para ganhar lá na frente", escreveu o campeão olímpico e tri mundial.

Giba também revela que, na véspera da partida, recebeu a visita do capitão búlgaro, Vladimir Nikolov, também interessado em perder o jogo para enfrentar Alemanha e República Tcheca em vez de Cuba e Espanha. "Sabia, claro, o motivo de ele vir até mim. A conversa foi franca, e os dois lados expuseram seus pontos de vista e deixaram claro o que fariam no jogo. As cartas e as estratégias estavam na mesa", disse o capitão brasileiro.

Com Bruninho e Marlon com problemas de saúde, o Brasil jogou sem levantador, com o oposto reserva Théo improvisado. Giba ressalta no livro que o técnico Bernardinho não concordou com a decisão -que não foi unânime- dos atletas. A seleção perdeu aquela partida, foi criticada por torcedores e pela imprensa em razão da marmelada, mas voltou da Itália com o título Mundial.

MACONHA - Sobre o doping, após ter fumado maconha, Giba conta logo no primeiro capítulo do livro como o episódio aconteceu.

Em dezembro de 2002, na Itália, recém-separado da primeira esposa (a fisioterapeuta Fabiane Pereira), Giba conta que conheceu uma italiana que o convidara para ir a uma festa.
Era véspera de uma partida pelo Estense Ferrara, seu clube na época, e ele decidiu ficar em casa. Com ela.

"Uma festa, na verdade, talvez fosse algo de que eu precisasse naquele momento (...). Mas não naquele dia. Eu e a tal italiana ficamos em minha casa. Uma noite agradável, deitados na cama, vendo um filme, tomando vinho. Minha cabeça estava longe. "Você se importa?", ela me questionou, mostrando um cigarro de maconha. "Não, não me incomodo." (...) Eu, vivendo um turbilhão de emoções e pensamentos, caí na tentação. A sensação foi ótima. Alívio. Os problemas ficaram para trás. Nem sequer me lembrava de que, a poucas horas dali, teria jogo. Nem sequer me lembrava da Olimpíada, muito menos da seleção brasileira", descreve Giba.

Ele foi pego em exame antidoping dias depois. Foi a julgamento no início de 2003 e pegou uma pena de oito jogos. Logo em seguida já estava de volta à seleção brasileira.

Curiosamente, alguns capítulos à frente no livro, Giba conta que o filme que assistiu naquela noite com a italiana foi "O barato de Grace" ("Saving Grace", 2000), que conta a história de uma viúva inglesa que, com plantações de maconha, tenta superar dificuldades financeiras após o suicídio do marido.

PÊNIS
Outra curiosidade na biografia é sobre um período em que Giba ficou fora da seleção. Na fase final da Liga Mundial de 2000, antes dos Jogos Olímpicos de Sydney, ele não jogou por um motivo bastante inusitado, como conta no livro.

"E aqui cabe uma curiosidade: fiquei fora de toda a fase decisiva, com uma fratura no pênis. Sim, no pênis, por mais bizarro que isso possa ser. Em uma folga antes da última semana de jogos da Liga, sofri essa lesão durante uma relação sexual com minha esposa. Fiquei com um enorme inchaço, que me impedia quase de andar. A dor, acreditem, é insuportável. Dormia com gelo ao lado da cama, e toda manhã, antes de levantar, aplicava. Ereção com aquela fratura era tudo que não podia acontecer. Quando cheguei ao urologista, caminhando com dificuldades, fiquei sem graça. Não sabia nem como falar aquilo. Ele percebeu e foi direto ao ponto: "Já sei, você fraturou o pênis, certo? Fique tranquilo, é algo muito comum". Respirei aliviado. Fiquei quase um mês afastado", diz Giba.

A mulher de Giba na época era Fabiane Pereira, de quem ele se separou em 2002. E o Brasil ficou com o bronze naquela Liga.

"O problema era: como contar à seleção que eu ficaria afastado por ter fraturado a genitália durante o sexo? Fácil: simplesmente não contei. Falei à comissão técnica que tinha levado um soco de um primo nas "partes baixas" e me lesionado. Os jogadores, claro, não acreditaram naquela história. Para eles, eu pude contar a verdade, que foi revelada dias mais tarde para todos. Eu jamais deixaria que aquilo saísse na mídia. Divulgamos, então, que eu ainda sentia dores no ombro, de uma lesão que me incomodava havia algum tempo e que, inclusive, tinha me afastado de jogos contra a Espanha, na Europa, cerca de vinte dias antes."

"GIBA NELES!"

continua após publicidade

AUTORES Giba e Luiz Paulo Montes
EDITORA Globo Livros
QUANTO R$ 29,90 (184 págs.)