Entretenimento

Faturamento das editoras cresceu menos de 1% em 2015, diz pesquisa 

Da Redação ·
 imagem ilustrativa google -www.arenadopavini.com.br
imagem ilustrativa google -www.arenadopavini.com.br

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As vendas aumentaram, mas o crescimento das editoras foi pífio nos primeiro semestre 2015.
Esse é um dos dados revelados pelo quinto Painel das Vendas de Livros do Brasil, apresentado nesta terça (11) pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros e o Instituto de Pesquisa Nielsen. Os números comparam os sete primeiros meses deste ano ao mesmo período do ano passado.
Neste ano, foram vendidos até agora 21,9 milhões de livros, um crescimento de 8,43% em relação a 2014. O faturamento dos canais de venda (lojas físicas e comerciais) foi de cerca de R$ 827 milhões -alta de 7,29%.
O relatório afere os dados apenas nos pontos de vendas, mas fez uma projeção sobre o faturamento das editoras. Tomando por base os números de exemplares vendidos, preço e o desconto médio oferecido pelos livreiros, constatou que houve um crescimento de apenas 0,99% no faturamento das editoras, índice muito abaixo da inflação acumulada nos últimos 12 meses -aproximadamente 9,5%.
"É preocupante constatar este número. Teremos que ser muito criativos no segundo semestre para tentar reverter este quadro.", observou o presidente do SNEL, Marcos da Veiga Pereira.
Isso ocorreu, segundo a pesquisa, porque o preço de capa do livro (valor que as editoras cobram dos canais de venda) caiu 6,86% neste ano.
Para atrair leitores em tempos de crise, as editoras estão optando por manter os preços dos livros mais acessíveis.
O levantamento anual da Fipe (Fundação Instituto de pesquisas Econômicas) divulgado em março apontou que o mercado editorial encolheu 5,16 em 2014, o pior desempenho em faturamento em mais de uma década.
Neste ano, dados do Instituto de Pesquisa Nielsen apontam que os livros de não ficção foram os campeões de venda -representam 28,9% do faturamento (alta de 17,9% em relação ao ano passado). O resultado é atribuído ao sucesso dos livros de colorir.
Já os livros de ficção adulta, em relação aos mesmos períodos, tiveram queda de -6,7% -representam 21,7% do faturamento.
Levando em conta apenas o mês de julho deste ano, os resultados foram um pouco melhores, em comparação a julho de 2014. Livrarias e mercados venderam 2,7 milhões de livros (alta de 8,9%) e faturaram R$ 91,7 (crescimento de 14,1% ).

continua após publicidade