Facebook Img Logo
Mais lidas
Entretenimento

Lobão se apresenta feliz da vida em show acústico em São Paulo

.

SÓ PODE SER PUBLICADO NA ÍNTEGRA E COM ASSINATURA
THALES DE MENEZES
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Lobão, 57, se apresentou como um lobinho feliz no Bourbon Street. No show acústico que fez na noite de quarta (6) na casa paulistana, se mostrou alegre, contou histórias, atendeu pedido do público e tocou até músicas inéditas.
Além de seu histórico incluir shows de rock raivoso, dependendo da fase da carreira, Lobão também virou figura de grande visibilidade e atuação na recente onda de protestos contra o governo Dilma, com declarações contundentes.
Mas o público no Bourbon viu um artista de riso aberto, sentado e trocando de violões (eram cinco em volta dele). E a noite serviu para mostrar o talento musical de Lobão, conseguindo recriar rocks no formato acústico, mesmo canções originalmente raivosas, como "Vida Bandida".
Talvez inspirado pelo clima intimista da casa ("aconchegante", segundo ele), Lobão falou muito. Deu praticamente uma explicação antes de cada música, expondo detalhes de seu trabalho que agradaram aos fãs. O Bourbon estava repleto de fanzocas, que cantaram junto, às vezes até encobrindo a voz microfonada do cantor.
Imitou Cazuza (1958-1990), reproduzindo o modo "língua presa" do amigo, para contar como os dois disputaram para ver quem gravava primeiro "Mal Nenhum", parceria de sucesso. Disse depois, rindo, que "uns cantores palermas assassinaram a música em homenagens a Cazuza".
Lobão contou que certa vez compôs uma música que achou "uma merda", horrível, que quis jogar no lixo, mas acabou gravando mesmo assim. Para surpresa de muitos, começou então a cantar "Chove lá fora e aqui/ faz tanto frio...", os versos de "Me Chama", talvez seu maior sucesso.
Desde o início do show, um fã pedia que Lobão cantasse o rock vigoroso "Canos Silenciosos". Até que Lobão, na parte final do show, resolveu então atendê-lo. Mas fez questão de deixar que não gostava de cantar essa música sem uma banda, disse que ela não prestava direito para o formato acústico. "Mas eu vou cantar, na boa. Democracia, né?", falou o cantor.
No bis, Lobão teve seu único e breve momento de braveza, ao reclamar de quem gritava na plateia "toca Raul". "Não gosto disso, não pelo Raul, claro, mas pela ignorância das pessoas de repertório pequeno. Então eu não vou tocar Raul, vou tocar Beatles pra vocês!" E então fez sua versão de "Help!".
Para encerrar, com aprovação total do público, cantou "Corações Psicodélicos", sucesso de seu álbum "Ronaldo Foi pra Guerra", de 1984. E todos saíram de lá aparentemente tão felizes quanto Lobão.

LOBÃO NO BOURBON STREET
AVALIAÇÃO: ótimo

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas de Entretenimento

×

Newsletter

Conteúdo direto para você:

Quero Receber