Entretenimento

Maria Adelaide Amaral revela detalhes da trama de Ti-ti-ti

Da Redação ·
 Autora conta detalhes da trama
fonte: globo
Autora conta detalhes da trama

Dois sucessos em um. Partindo desta premissa, Maria Adelaide Amaral escreve a nova novela das sete. O roteiro é baseado em clássicos da dramaturgia brasileira da década de 1980: Ti-ti-ti, também título do atual remake, e Plumas e Paetês – ambas escritas por Cassiano Gabus Mendes.  

continua após publicidade

O encontro das duas tramas acontece em diferentes núcleos, entre eles, o da revista Moda Brasil, comandada pela jornalista Suzana (Malu Mader). A redação é um dos cenários responsáveis por unir histórias até então desconexas, mas que se entrelaçam na Ti-ti-ti do século XXI. O resultado da mistura traz de volta às telas personagens antológicos como os estilistas Jacques Leclair (Alexandre Borges) e Victor Valentim (Murilo Benício).  

O enredo é temperado por questões contemporâneas, como consumismo e bulimia, e outras que nunca saem de moda, entre elas, intrigas, suspense, mentiras e, é claro, muito humor. Confira abaixo entrevista com a autora da trama, Maria Adelaide Amaral.  

continua após publicidade

Como iniciou o projeto de juntar esses dois sucessos da dramaturgia brasileira?

“Há três anos, quando me pediram que fizesse uma novela, eu disse que a única que teria vontade de fazer seria um remake de Ti-ti-ti com Plumas e Paetês, porque as duas tratavam do universo da moda.”

A novela é uma maneira de homenagear Cassiano Gabus Mendes. Por que homenageá-lo neste momento?

continua após publicidade

“Ti-ti-ti foi uma das novelas mais divertidas de que tenho lembrança e porque seu autor é Cassiano Gabus Mendes. Ele me levou para a televisão em 1990 para escrever com ele Meu Bem Meu Mal. Cassiano escreveu algumas das mais notáveis novelas das sete e merece ser homenageado sempre.”  

Apesar de unir duas tramas, o nome escolhido para a novela é Ti-ti-ti? Por que não um terceiro nome?

“Na verdade, só vamos usar duas tramas de Plumas e Paetês. Em princípio pensamos em ‘Plumas e Ti-ti-ti’, mas a viúva do Cassiano (Gabus Mendes) bateu o martelo e nos aconselhou a usar Ti-ti-ti.”  

continua após publicidade

As características originais dos personagens serão preservadas ou modificadas?

“Na versão original, Jacques Leclair e Victor Valentim tinham seus ateliers nos jardins e atendiam a alta sociedade. No remake, o ateliê de Jacques Leclair fica no Jardim Anália Franco, no Tatuapé, e ele atende as emergentes da Zona Leste. O sonho dele, porém, é ter uma loja na Oscar Freire e chegar ao São Paulo Fashion Week.

continua após publicidade

Valentim, que deseja ser tão bem sucedido com seu inimigo de infância, Leclair, já abre seu ateliê nos Jardins e ambos entrarão numa disputa acirrada para vestir socialites e celebridades. No original, Jacques Leclair é um nome consolidado.

No remake, é um estilista de gosto duvidoso, que se beneficia do talento de Jaqueline (Cláudia Raia) para fazer seu up-grade. Ou seja, seus modelos tinham um bom corte, mas informações demais. Retirados os excessos, suas criações ganham em bom gosto e revelam sua essencialidade. Nesse momento seu estilo é um mix de Calvin Klein e Armani. Já Victor Valentim, que se inspira nos vestidos de boneca feitos por uma senhora que na verdade é a mãe de Jacques Leclair – desaparecida e desmemoriada -, apresenta-se com um estilo inspirado nos anos 50, mix de Dior, Nina Ricci e Balenciaga.

continua após publicidade

Quais são os pontos de encontro entre as duas novelas?

“Eles acontecem na (revista) Moda Brasil, na casa do proprietário da editora, na agência de modelos, no apartamento das modelos e na fábrica de Rebeca (Christiane Torloni).”

As duas novelas foram exibidas na década de 80. Neste remake, há uma atualização da história de acordo com a realidade do século XXI?

“Quando Cassiano Gabus Mendes escreveu Ti-ti-ti, a moda em São Paulo gravitava em torno de dois costureiros: Denner e Clodovil. Mas o universo da moda mudou tanto, que nem se usa mais a palavra costureiro, e sim estilista. Também nos anos 90 houve uma massificação e democratização na moda brasileira e os criadores voltaram-se preferencialmente para o Pret-à-porter (pronto para vestir). Por sugestão de Glorinha Kalil (especialista em moda), e para manter acesa a competição entre Jacques Leclair e Victor Valentim, resolvemos situá-los no segmento de vestidos de festa, noivas e madrinhas, que não conhece crise.”

Ti-ti-ti estreia em 19 de julho. Não perca!