Entretenimento

Humor negro é ponto alto de "A Culpa É das Estrelas"

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Humor negro é ponto alto de "A Culpa É das Estrelas"
fonte: Foto: Divulgação
Humor negro é ponto alto de "A Culpa É das Estrelas"

SÃO PAULO, SP - Depois da saga "Harry Potter", que terminou em 2011, fazia tempo que um sucesso da literatura infanto-juvenil não agradava tanto a leitores de todas as idades quanto a história de "A Culpa É das Estrelas". A adaptação para os cinemas da obra do escritor americano John Green estreia nesta quinta (5) com uma legião de fãs ansiosos para ver os personagens do livro ganharem vida.

continua após publicidade

Nem de longe se trata de uma superprodução como a inventada pela britânica J.K Rowling. Não há efeitos especiais nem seres fantásticos. Muito pelo contrário: o casal protagonista criado pelo escritor americano é bem real. Os adolescentes Gus (Ansel Elgort) e Hazel (Shailene Woodley) se conhecem em um grupo de apoio para jovens com câncer e se apaixonam. O problema é que Gus começa o filme com a doença controlada, enquanto Hazel sabe que não terá muitos anos de vida pela frente, pois seu câncer não tem cura. Diante do óbvio clima de dramalhão, Green lança mão de seu maior trunfo: um humor levemente negro, que permite ao espectador rir do trágico trio que rouba a cena: com os pulmões frágeis, Hazel não pode ir a lugar nenhum sem seus tubos de oxigênio, Gus não possui metade de uma perna, e seu melhor amigo, Isaac (Nat Wolff), perde os dois olhos -além da namorada gostosona- para a doença.

Cientes de seu pouco tempo de vida, os jovens têm a oportunidade de viver da maneira mais intensa que poderiam: com a certeza de que o mundo vai, sim, acabar amanhã.

continua após publicidade

LIVRO

Se por um lado o filme segue quase que fielmente o enredo do livro (R$ 29,90, 288 págs., Intrínseca), por outro, assistir à produção não tira o prazer da leitura do best-seller de John Green. Tanto que, durante as semanas que antecederam a estreia do longa-metragem, a procura pelos livros do norte-americano (há mais de um ano na lista de mais vendidos) só aumentou. A prosa de Green, leve e repleta de diálogos, agrada facilmente. E abre as portas para conhecer outras histórias que caíram no gosto não apenas dos jovens, mas de seus pais, mães, tios e avós. É o caso de "O Teorema de Katherine" e "Cidades de Papel".