Entretenimento

Movimento de boicote a Israel pede que Rolling Stones não toque em Tel Aviv

Da Redação ·
Imagem ilustrativa da notícia Movimento de boicote a Israel pede que Rolling Stones não toque em Tel Aviv
fonte: Foto: Arquivo
Movimento de boicote a Israel pede que Rolling Stones não toque em Tel Aviv

O movimento de Boicote, Sanção e Desinvestimento (BDS) em Israel pediu nesta terça-feira (25) ao grupo britânico Rolling Stones que não toque no país, poucas horas antes do fechamento da data para o show marcado para 4 de junho em Tel Aviv.

"As organizações palestinas pedem que os Rolling Stones não toquem na segregacionista Israel e não aprovem (assim) as violações do direito internacional e dos Direitos Humanos contra o povo palestino", assinalou em comunicado Rafeef Ziadah, porta-voz do Comitê Nacional do BDS.

continua após publicidade
confira também

Dias atrás, já circulavam rumores sobre a possível visita da banda ao país, embora ainda não houvesse confirmação de data e o evento não figurasse no calendário postado no site oficial do grupo.

Finalmente, o produtor israelense Shuki Weiss anunciou na segunda que o parque Yarkon de Tel Aviv foi reservado para 4 de junho para o evento, notícia divulgada pela edição digital do jornal "Yedioth Ahronoth", e que causou a rejeição imediata do movimento de boicote.

"Por que qualquer artista com consistência moral aceitaria atuar em um país que está tão profundamente envolvido em crimes de guerra e violações dos Direitos Humanos?", questionou Ziadah em sua nota.

A poeta palestina lembrou que, no caso dos Rolling Stones, estes além disso "tiveram um grande papel ao aplicar um boicote cultural na África do Sul do apartheid."Atuar em Israel hoje é moralmente equivalente a fazê-lo na África do Sul naquele período. Qualquer atuação dos Rolling Stones em Israel serviria para esta campanha de mudança de marca e será usada como ferramenta propagandista pelo Estado israelense", acusou Ziada.

Segundo o mesmo comunicado, são várias os grupos de música e artistas --como Gill Scott Heron, os Klaxons, Faithless e Massive Attack-- que cancelaram suas atuações após serem contatados pelo movimento.

continua após publicidade

Os promotores do mesmo reivindicam pressão internacional sobre Israel até conseguir o fim da ocupação dos territórios capturados em 1967.

Além disso, o movimento defende o direito ao retorno dos refugiados palestinos expulsos de seus lares nas sucessivas guerras.

"Se sua atuação seguir adiante, os Rolling Stones serão tristemente conhecidos por ser um dos poucos artistas que ainda querem tocar em Israel apesar de seus sistema de ocupação, colonização e apartheid", lamentou Ziadah em sua declaração.

Por sua vez, o conhecido produtor Weiss, encarregado de organizar o evento, assegurou não ter palavras para "um evento deste tamanho" no país e informou que as entradas serão colocadas à venda em 30 de março, a partir de 695 shekels (US$ 200).