Entretenimento

Mentes lentas geram as ideias mais criativas

Da Redação ·
 Pesquisadores descobriram que quanto mais lentas são as conexões, mais criativas são as pessoas
fonte: Do R7
Pesquisadores descobriram que quanto mais lentas são as conexões, mais criativas são as pessoas

Embora uma internet lenta seja ruim para todo mundo, o mesmo não acontece com o cérebro, em que, quanto mais lentas as conexões, mais criativas são as pessoas, revelou a revista New Scientist nesta terça-feira (30).

continua após publicidade

Rex Jung, da Universidade do Novo México, nos Estados Unidos, e sua equipe descobriram que a criatividade está relacionada com baixo níveis do N-acetilaspartato, substância química que é encontrada nos neurônios e parece estimular a saúde mental e o metabolismo.

continua após publicidade

O pesquisador descobriu que as pessoas mais criativas possuem uma integridade na matéria branca mais baixa na região que conecta o córtex pré-frontal a uma estrutura mais profunda chamada tálamo, em comparação com seus colegas menos criativos. Jung sugere que uma comunicação mais lenta entre algumas áreas pode tornar as pessoas mais criativas.

continua após publicidade

- Isso permite a conexão entre ideias muito diferentes, mais inovações e mais criatividade. Os neurônios constituem a matéria cinza do cérebro: o tecido geralmente associado ao poder do pensamento, mais do que a criatividade.

A pesquisa de Jung está focada na matéria branca, que é formada, em grande parte, por bainhas gordas de mielina, que envolvem os neurônios.

continua após publicidade

Menos mielina significa que a matéria branca possui uma “intregridade menor” e transmite informações de forma mais lenta.

continua após publicidade

Vários estudos recentes sugeriram que a matéria branca de alta integridade no córtex, que é associada com funções mentais superiores, implicam um aumento na inteligência.

continua após publicidade

Mas Jung encontrou algo diferente na relação entre a matéria branca e a criatividade. Ele usou o DTI (tensor de difusão), uma nova máquina de ressonância magnética, para estudar a matéria branca em 72 voluntários.

Ao contrário da ressonância magnética, que mede o volume dos tecidos, o DTI mede a direção em que a água se difunde pela matéria branca, uma indicação de sua integridade.

Outras pesquisas revelaram que a matéria branca pode ser afetada em algumas doenças mentais, o que reforça a relação entre criatividade e doença mental.

As conclusões são surpreendentes, já que uma alta integridade na matéria branca é normalmente considerada algo bom. Segundo Paul Thompson, da Universidade da Califórnia, uma transferência super rápida de informações pode não ser essencial para o pensamento criativo – ela pode ser boa para jogar xadrez, mas a realização de um romance exige algo diferente.