Entretenimento

Chimpanzés têm consciência da morte, diz estudo

Da Redação ·
 O estudo descreve as últimas horas e a morte de uma chimpanzé fêmea de idade avançada
fonte: Getty Images
O estudo descreve as últimas horas e a morte de uma chimpanzé fêmea de idade avançada

Os chimpanzés parecem muito conscientes da morte, assim como os humanos, segundo um estudo baseado em observações publicado nesta segunda-feira (26).

continua após publicidade

James Anderson, da Universidade de Sitling do Reino Unido, principal autor de uma das pesquisas publicadas na revista americana Current Biology explicou sobre a consciência da morte.

continua após publicidade

- Vários fenômenos foram considerados em um ou outro momento separando o homem das outras espécies, como a capacidade de raciocinar, de falar ou de utilizar ferramentas e a consciência de si mesmo, antes de a ciência demonstrar que essas divisões são, na realidade, mais relativas. A consciência da morte é um desses fenômenos psicológicos atribuídos durante um longo tempo somente aos humanos.

continua após publicidade

O pesquisador conta que os resultados foram surpreendentes.

- As observações que temos feito em chimpanzés relacionando a perda de seu par e nos últimos momentos de vida, indicam que eles têm muita consciência da morte e, provavelmente, de maneira muito mais desenvolvida do que se suspeitava.

continua após publicidade

O estudo descreve as últimas horas e a morte de uma chimpanzé fêmea de idade avançada, que vivia em um pequeno grupo de primatas numa reserva na Escócia. Todos esses momentos foram filmados.

continua após publicidade

Nos dias que precederam a morte da fêmea, o grupo esteve muito silencioso e com a atenção concentrada nela, segundo Anderson. Muito pouco tempo antes de morrer, seus companheiros fizeram muito carinho e a enfeitaram.

Os pesquisadores dizem que esses gestos, nos últimos instantes, buscavam determinar se ela ainda estava com vida. Quando chegou a morte, o grupo se afastou do corpo, mas pouco depois, a chimpanzé apontada como sua filha mais velha voltou para permanecer durante toda a noite próxima à fêmea morta.

Em um segundo estudo, os autores observaram duas mães de chimpanzés que vivem livres. Elas continuaram carregando o corpo mumificado de seus filhotes durante semanas, após a morte deles em consequência de uma infecção respiratória.