Entretenimento

Baterista da banda Down diz que vai 'destruir' Black Eyed Peas no SWU

Da Redação ·
Jimmy Bower, baterista do Down
fonte: Wikimedia/Shadowgate
Jimmy Bower, baterista do Down

Depois de saber, pela reportagem do G1, que vai tocar no SWU junto com o Black Eyed Peas, o baterista do grupo americano de heavy-metal Down, Jimmy Bower, disse que vai “destruir” a banda pop. “Nós vamos tocar com eles? Vamos destruir! [Risos] Vamos com a missão de destruir!”

continua após publicidade

"Na verdade, eu escuto esse tipo de som, claro. Mas é diferente. Gosto de tocar em festivais que têm vários estilos”, disse por telefone, no último dia 15, da cozinha de sua casa em Nova Orleans.

O Down se apresenta no último dia do SWU, evento que começa no dia 12.

continua após publicidade

Depois que começou a gravar novas músicas, em 2008, Bower experimenta um período longe do estúdio. Deu um tempo nas gravações por causa da agenda complicada de cada um dos integrantes – o Down é considerado “super-grupo” dentro do gênero, por ser formado por vários membros de outras bandas conhecidas.

O vocalista Phil Anselmo é líder do Pantera; Bower fez parte do Eyehategod; Pepper Keenan é do Corrosion of Conformity...

“Temos cerca de sete ou oito músicas em versão demo. Vamos lançá-las em quatro EPs, não em um único álbum. Queríamos fazer algo diferente, é quase um segredo”, diz.

continua após publicidade

Ele adianta que a banda não tocará nada inédito durante seu show no SWU. Mas que seria “uma boa ideia”. “Vamos usar mais coisas do primeiro álbum, que tem a maior parte das músicas que nossos fãs gostam, mas o show terá faixas de todos os discos”, adianta o baterista.

Desde o lançamento de “NOLA” (1995), a banda se estabeleceu na cena “southern-metal” americana com hits como “Stone crow”. Lançaram “Down II: a bustle in your hedgerow” (2002) e “Down III: over the under” (2007). Esse último disco foi inspirado pelo desastre provocado pela passagem do furacão Katrina em Nova Orleans.

“O Katrina afetou a todos nós, nossas vidas pessoais. De uma maneira que aquele disco acabou se tornando um processo de cura.”