Economia

Venda de ativos da Petrobras atinge R$ 263,4 bi, maior parte no governo Bolsonaro

Da Redação ·

Levantamento feito pelo Observatório Social da Petrobras (OSP), organização mantida pela Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), mostra que a venda de ativos da Petrobras alcançou R$ 263,4 bilhões de janeiro de 2015 a 23 de fevereiro de 2022. A maior parte foi concretizada no governo Jair Bolsonaro, quando foram vendidos R$ 155,5 bilhões em ativos, representando 59% da soma total.

continua após publicidade

No último trimestre do ano passado, foram negociados R$ 17,1 bilhões, um crescimento de 9,8% em relação ao período anterior. Segundo o OSP, os valores em reais já estão deflacionados, considerando o câmbio e o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para janeiro de 2022.

De novembro até agora, a gestão da Petrobras se desfez de mais sete ativos. A principal venda foi do Polo Potiguar, no Rio Grande do Norte. As 22 concessões de campos de produção terrestres e de águas rasas e toda sua infraestrutura de processamento, refino, logística, armazenamento, transporte e escoamento de petróleo e gás natural foram negociadas por R$ 7,6 bilhões. Também foi vendida, por R$ 6,2 bilhões, a participação integral da estatal no Polo Carmópolis, um conjunto de 11 concessões de campos de produção terrestres, com instalações integradas, em Sergipe.

continua após publicidade

No início desta semana, foi vendido o Polo Norte Capixaba, quatro campos de produção terrestres no Espírito Santo, por R$ 3 bilhões. Os outros negócios incluíram a privatização da Unidade de Industrialização do Xisto (SIX), em São Mateus do Sul, no Paraná, por R$ 189 milhões, além da venda da participação da Petrobras em bloco exploratório na Bacia Potiguar, por R$ 4 milhões, e em duas concessões na Bacia do Paraná, totalizando R$ 4 milhões.

Na distribuição porcentual por país, segundo o Privatômetro, 44% dos ativos vendidos neste último período foram adquiridos por empresas brasileiras, 36% ficaram para a Espanha e 17% para o Reino Unido.

De acordo com o OSP, o maior valor anual de venda de ativos foi registrado no primeiro ano do mandato de Bolsonaro, em 2019, contabilizando R$ 74,8 bilhões, ou seja, 28% do acumulado. Na relação setorial, a maior parte dos desinvestimentos foi de ativos de exploração e produção (43%), seguido por transporte (28%) e distribuição e revenda (21%).

continua após publicidade

No governo da ex-presidente Dilma Rousseff foram vendidos R$ 27,5 bilhões em ativos da estatal, ou 10,5% do total, e no governo de Michel Temer, R$ 80,3 bilhões, 30,47% do total.

"No momento em que mais precisamos de uma estatal forte, voltada para o bem do seu povo e do seu País, preocupada em conter o preço da gasolina e do gás de cozinha e os impactos que essa alta traz no custo de vida do brasileiro, o governo acelera a privatização da Petrobras e deixa o País cada vez mais vulnerável às oscilações do mercado internacional", avaliou o economista do OSP e do Instituto Brasileiro de Estudos Políticos e Sociais (Ibeps) Tiago Silveira.