Economia

TikTok e WeChat vão ser banidos de lojas de apps nos EUA

Da Redação ·

Foram cerca de dois meses de negociações, mas não teve jeito: amanhã, os aplicativos chineses TikTok e WeChat vão deixar as lojas de aplicativos do Android e do iPhone nos Estados Unidos. Ontem, o Departamento de Comércio dos EUA anunciou a imposição de uma série de restrições contra as duas plataformas - na visão do governo americano, elas representam risco de segurança nacional para o país, porque podem ser usadas pelo Partido Comunista da China como veículos para obtenção de dados sigilosos.

continua após publicidade

Assim, por decreto, os apps terão de sair das lojas de aplicativos, o que significa que não será possível fazer novos downloads das plataformas.

"As ações de hoje provam mais uma vez que o presidente Donald Trump fará tudo ao seu alcance para garantir nossa segurança nacional e proteger os americanos das ameaças do Partido Comunista Chinês", disse Secretário de Comércio, Wilbur Ross, em nota. Desde o início do imbróglio, em julho, o governo americano não apresentou provas concretas da espionagem de Pequim nos dois apps.

continua após publicidade

A partir de amanhã, o WeChat também será completamente banido no território americano, com operadoras de internet proibidas de permitir seu funcionamento. "As restrições anunciadas são um infortúnio, mas vamos continuar a discutir com o governo americano uma forma de conseguir uma solução de longo prazo", afirmou a Tencent, dona do WeChat, em comunicado. Antes de sair do ar, porém, o aplicativo teve uma alta de downloads ontem: foi um dos cem apps mais baixados nos EUA, segundo a consultoria Sensor Tower.

Já o TikTok, que pertence à startup ByteDance, terá regras mais suaves: o aplicativo terá até o dia 12 de novembro para firmar um acordo para a venda de suas operações nos EUA. Caso contrário, o aplicativo será descontinuado no território americano.

É uma transação cujo desenho é mais difícil do que parece: o negócio, que foi disputado por empresas como Oracle e Microsoft, precisa ser aprovado tanto nos Estados Unidos quanto na China. O problema é que as empresas americanas estariam interessadas em uma aquisição que inclua o algoritmo de recomendação da rede social de vídeos curtos.

continua após publicidade

É algo que Pequim não pretende abrir mão - nos últimos dias, circularam rumores de que o governo chinês preferia ver o aplicativo desativado em um de seus principais mercados. "A disputa entre os apps e os EUA é como um jogo de pôquer com apostas altas, mas o governo americano colocou os aplicativos contra a parede com essa ordem", diz Dan Ives, analista da corretora Wedbush Securities.

Ao longo da última semana, a ByteDance e a Oracle tentaram negociar um acordo que pudesse garantir à Casa Branca o funcionamento de uma parceria - a empresa de Larry Ellison, veterana do mercado de software, faria o papel de cuidar da infraestrutura de nuvem e dos dados dos usuários do TikTok nos EUA, isolando a interferência de Pequim do APP.

No mercado, há quem veja a parceria como suspeita de favorecimento político, uma vez que Ellison é um raro executivo do Vale do Silício que é próximo ao presidente americano.

continua após publicidade

Além disso, a resolução para a questão tem sido bastante criticada por analistas de segurança. Isso porque, com a saída do TikTok das lojas de aplicativos amanhã, mas com uso permitido até novembro, a ByteDance não poderá mais enviar atualizações de segurança para os usuários. Caso uma brecha que permita ataques hackers seja descoberta, será difícil resolvê-la de forma rápida sem o uso das lojas de aplicativos - e assim, ao tentar proteger os americanos, a medida do governo Trump pode deixá-los sem proteção.

Fase dois

Não é a primeira vez que Trump ameaça empresas chinesas que ganham projeção global sob a lógica de "ameaça de segurança nacional". Em 2019, ele proibiu companhias americanas de negociarem com a ZTE e a Huawei - esta última é uma líder global em infraestrutura para o 5G, considerado estratégico para os próximos passos da economia global.

O apetite do governo americano para investigar companhias chinesas, porém, não vai parar no TikTok: ontem, uma reportagem da agência de notícias Bloomberg disse que os EUA estão investigando empresas que têm relação com a Tencent no mercado de games, também sob a suspeita de espionagem pró-Pequim. É uma medida que pode afetar toda a indústria de jogos: hoje, a chinesa é dona ou acionista de marcas como League of Legends, Clash of Clans e Fortnite, populares no mundo todo. (Com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.